Mercado fechado
  • BOVESPA

    119.710,03
    -3.253,98 (-2,65%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.748,41
    -906,88 (-1,83%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,57
    -0,51 (-0,77%)
     
  • OURO

    1.821,00
    -1,80 (-0,10%)
     
  • BTC-USD

    50.438,78
    -6.828,56 (-11,92%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.385,71
    -178,13 (-11,39%)
     
  • S&P500

    4.063,04
    -89,06 (-2,14%)
     
  • DOW JONES

    33.587,66
    -681,50 (-1,99%)
     
  • FTSE

    7.004,63
    +56,64 (+0,82%)
     
  • HANG SENG

    27.884,76
    -346,28 (-1,23%)
     
  • NIKKEI

    27.546,72
    -600,79 (-2,13%)
     
  • NASDAQ

    13.046,25
    +47,75 (+0,37%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4067
    +0,0012 (+0,02%)
     

Segurança de Michael Jackson relata a péssima situação financeira do cantor

Redação Esportes
Se não fosse seu segurança, o "Rei do Pop" nunca poderia ter tido o iPhone que tanto queria

Quando o primeiro iPhone foi lançado em 2007, todo mundo queria o novo gadget da Apple - incluindo o "Rei do Pop", Michael Jackson.

Mas o cantor poderia não ter tido acesso ao aparelho mais quente da tecnologia, se não fossem seus seguranças, como revela reportagem do site "Business Insider".

No novo livro "Remember the Time: Protecting Michael Jackson in His Final Days," dois dos seguranças de Michael Jackson, Bill Whitfield e Javon Beard, revelam como era trabalhar com o artista durante os últimos anos de sua vida.

O livro detalha a péssima situação financeira de Jackson; em um ponto, Whitfield diz que ouviu Jackson dizem que ele não tinha ideia de onde seu dinheiro tinha ido ou o quanto ele tinha e contou como os dois guardas não foram pagos durante meses.

No entanto, a estrela ainda conseguiu deixar milhares de dólares na loja de brinquedos FAO Schwarz; levando para casa desde uma réplica Tinkerbell de quase sete metros de altura  a uma tela de cinema de US$ 1 mil para ver  o filme “Os Simpsons".

No meio do livro, Whitfield recorda como Jackson queria o iPhone quando ele foi lançado. Segundo o segurança, após Beard ficar duas horas e meia na fila para fazer a compra, Jackson pediu que ele  configurasse o telefone.

O que deveria ser uma tarefa simples, acabou se transformando em um pesadelo.

"Eu tinha toda a sua informação pessoal, então eu disse que sim. Tentei primeiro configurá-lo em seu nome, mas depois de colocar o número de Segurança Social de Michael Jackson, a AT&T queria um depósito de US$ 1.500 apenas para ligar o telefone celular. Isso significa o quão ruim seu crédito era. Então tive que configurar a conta em meu nome”, contou Whitfield.

O segurança disse ainda que, eventualmente, o número de Jackson era alterado e suas contas de telefone, então, nunca foram pagas. "As contas chegaram perto de dois mil dólares, e, então, foram desligadas ", completou Whitfield.