Mercado fechará em 2 h 43 min

Segundo turno em São Paulo: Record cancela debate entre Covas e Boulos

Redação Notícias
·2 minuto de leitura
Em 1º turno, Covas venceu Boulos em todas as 50 zonas eleitorais da capital. (Fotomontagem: Yahoo Notícias)
O embate entre Covas e Boulos estava previsto para acontecer no domingo, dia 22, às 22h. (Fotomontagem: Yahoo Notícias)

A emissora Record TV cancelou a exibição do debate entre os candidatos do segundo turno à Prefeitura de São Paulo, Bruno Covas (PSDB) e Guilherme Boulos (PSOL), que estava previsto para acontecer no domingo, dia 22, às 22h.

Procurada pelo colunista Fefito, do portal UOL, a emissora não se manifestou sobre o motivo do cancelamento. Com a mudança, os prefeituráveis participarão dos seguintes embates:

Dia 16 de novembro (segunda-feira):

  • Debate na CNN Brasil dos candidatos de São Paulo, às 20h (já realizado; veja como foi)

Dia 19 de novembro (quinta-feira):

  • Debate na Band TV dos candidatos de São Paulo, às 22h30

Dia 23 de novembro (segunda-feira):

  • Sabatina da TV Cultura, em edição especial do Roda-Viva, com os candidatos de São Paulo, às 22h

Dia 27 de novembro (sexta-feira):

  • Debate da TV Globo dos candidatos de São Paulo, após o fim da novela das 21h

Eleições em São Paulo

São Paulo é o maior colégio eleitoral do Brasil com quase 9 milhões de pessoas aptas a votar.

Covas é prefeito da cidade desde 2018, quando assumiu após o prefeito eleito João Doria (PSDB) deixou o cargo para disputar — e ganhar — o Governo do Estado. Foi Bruno quem esteve à frente da cidade na pandemia do coronavírus.

Já Boulos ficou nacionalmente conhecido em 2018, quando foi candidato do PSOL à presidência. Conhecido por sua atuação com o MTST, ele é professor e concorre pela primeira vez ao cargo. Sua vice, Luiza Erundina, foi prefeita de São Paulo no final da década de 1980.

Entenda o segundo turno

Em 2020, as eleições terão o segundo turno mais curto da história devido à pandemia do novo coronavírus, e está marcado para acontecer no dia 29 de novembro.

Para assumir a prefeitura no 1º turno, o candidato precisaria obter maioria absoluta - 50% mais um - dos votos válidos. Votos brancos e nulos não entram nessa conta.

O TSE (Tribunal Superior Eleitoral) esclarece que essa condição da existência do 2º turno é válida somente às cidades com mais de 200 mil eleitores.

Essa regra está prevista nos artigos 28 e 29 da Constituição de 1988, determinando, além do limite mínimo de habitantes, que o “segundo turno poderá ocorrer apenas nas eleições para presidente e vice-presidente da República, governadores e vice-governadores dos estados e do Distrito Federal, e para prefeitos e vice-prefeitos.”

Nas eleições de 2016 havia 92 municípios com mais de 200 mil eleitores. Já em 2020, outras três cidades alcançaram o número de habitantes mínimo. São elas: Ribeirão das Neves (MG), Paulista (PE) e Petrolina (PE). Sendo assim, nas eleições 2020, 95 municípios poderão ter um segundo turno para prefeito e vice-prefeito.