Mercado fechará em 4 h 7 min
  • BOVESPA

    130.713,53
    +1.272,50 (+0,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.234,56
    -51,90 (-0,10%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,31
    +0,40 (+0,56%)
     
  • OURO

    1.865,30
    -14,30 (-0,76%)
     
  • BTC-USD

    40.646,98
    +4.577,51 (+12,69%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.010,60
    +41,75 (+4,31%)
     
  • S&P500

    4.238,06
    -9,38 (-0,22%)
     
  • DOW JONES

    34.265,74
    -213,86 (-0,62%)
     
  • FTSE

    7.146,68
    +12,62 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,23 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    29.161,80
    +213,07 (+0,74%)
     
  • NASDAQ

    14.032,50
    +38,25 (+0,27%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1365
    -0,0561 (-0,91%)
     

Segunda onda de coronavírus atinge mais demanda agregada do que oferta, diz BC da Índia

·1 minuto de leitura
Mulher faz compras em supermercado de Mumbai, na Índia, em meio a disseminação da Covid-19

Por Swati Bhat

MUMBAI (Reuters) - O banco central da Índia disse na segunda-feira que a segunda onda da pandemia de Covid-19 no país teve um impacto maior na demanda agregada do que na oferta agregada, e acredita que a desaceleração econômica não foi tão severa como um ano atrás.

"O maior preço da segunda onda é em termos de choque de demanda - perda de mobilidade, gastos discricionários e empregos, além do acúmulo de estoques, enquanto a oferta agregada é menos impactada", disse o banco central da Índia em seu boletim mensal.

"O ressurgimento da Covid-19 prejudicou, mas não debilitou a atividade econômica na primeira metade do primeiro trimestre: 2021/22", acrescentou.

O banco central disse que, embora seja "extremamente preliminar" nesta fase, acredita que a perda de impulso não é tão grave como nesta altura um ano atrás.

"Evidentemente, a natureza localizada dos lockdowns, a melhor adaptação das pessoas aos protocolos de trabalho remoto, modelos de entrega online, comércio eletrônico e pagamentos digitais estão funcionando", disse o banco central.

(Por Swati Bhat)