Mercado fechado
  • BOVESPA

    114.064,36
    +1.782,08 (+1,59%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.464,27
    +125,93 (+0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,08
    -0,22 (-0,30%)
     
  • OURO

    1.750,00
    +0,20 (+0,01%)
     
  • BTC-USD

    44.375,73
    +658,59 (+1,51%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.110,45
    +1,53 (+0,14%)
     
  • S&P500

    4.448,98
    +53,34 (+1,21%)
     
  • DOW JONES

    34.764,82
    +506,50 (+1,48%)
     
  • FTSE

    7.078,35
    -5,02 (-0,07%)
     
  • HANG SENG

    24.505,76
    -5,22 (-0,02%)
     
  • NIKKEI

    30.191,19
    +551,79 (+1,86%)
     
  • NASDAQ

    15.297,00
    -6,50 (-0,04%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2241
    -0,0009 (-0,01%)
     

Segregação da Eletronuclear é o maior desafio na privatização da Eletrobras, diz CEO

·2 minuto de leitura

SÃO PAULO (Reuters) - Um dos grandes desafios do processo de privatização da Eletrobras é a segregação de ativos como Angra 3, que pertencem à subsidiária Eletronuclear e deverão formar uma nova estatal, uma vez que a energia nuclear precisa ser tutelada pelo Estado no Brasil, disse o presidente da Eletrobras, Rodrigo Limp.

"O maior desafio na nossa visão é estruturação de Angra 3, com a consequente segregação da Eletronuclear, porque este não é um fato isolado, tem a questão da tarifa, tem a constituição da empresa, o aporte de recursos, é preciso definir a modelagem da segregação...", disse Limp, ao ser questionado.

Em live realizada pelo Bradesco BBI, ele afirmou que o BNDES já está em fase avançada com a proposta para a modelagem da segregação da Eletronuclear, e até o final de setembro deve ter concluído este processo.

Os investimentos nas obras da usina nuclear de Angra 3 desde dezembro de 2020 até 2023 deverão somar 6 bilhões de reais, segundo apresentação recente da Eletronuclear.

Limp disse ainda que a companhia tem trabalhado para que todos os outros desafios sejam mitigados, para que a privatização possa ocorrer até fevereiro, dentro do cronograma.

O executivo não descartou a possibilidade de este cronograma ser alterado, caso haja algum percalço, mas destacou que seria importante a privatização ocorrer o quanto antes, até porque haverá eleição geral em 2022.

"Claro que também não deixamos de olhar um plano B, caso aconteça algum fato, teremos que trabalhar com outros cenários alternativos... É importante que aconteça o quanto antes, para minimizar o efeito de volatilidades no mercado, o processo eleitoral, o quanto antes conseguirmos fazer, melhor."

No que se refere ao governo, ele disse que o comprometimento da administração federal é "total" com a privatização, e o governo inclusive conta com aporte de 5 bilhões de reais da Eletrobras, vinculado à desestatização, para aliviar tarifas de energia no ano que vem em meio ao cenário de custos altos de geração.

Na véspera, o governo definiu que a Eletrobras antecipará 5 bilhões de reais à Conta de Desenvolvimento Energético (CDE) em 2022, com o objetivo de ajudar a aliviar a pressão de alta nas tarifas de eletricidade.

A parcela integra os 29,8 bilhões de reais que deverão ser destinados à CDE, conforme previsto nas regras de privatização da Eletrobras, visando a chamada modicidade tarifária, por um período de 25 anos.

(Por Roberto Samora)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos