Mercado fechado
  • BOVESPA

    130.091,56
    -116,40 (-0,09%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.885,89
    -143,65 (-0,28%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,28
    +1,40 (+1,98%)
     
  • OURO

    1.860,10
    -5,80 (-0,31%)
     
  • BTC-USD

    39.821,61
    -10,10 (-0,03%)
     
  • CMC Crypto 200

    992,68
    -17,93 (-1,77%)
     
  • S&P500

    4.246,59
    -8,56 (-0,20%)
     
  • DOW JONES

    34.299,33
    -94,42 (-0,27%)
     
  • FTSE

    7.172,48
    +25,80 (+0,36%)
     
  • HANG SENG

    28.638,53
    -203,60 (-0,71%)
     
  • NIKKEI

    29.441,30
    +279,50 (+0,96%)
     
  • NASDAQ

    14.040,00
    -84,75 (-0,60%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1177
    -0,0138 (-0,23%)
     

Sede histórica da Abril na Marginal Tietê é leiloada por R$ 118,78 milhões

·2 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Os prédios que compõem a sede histórica da Editora Abril na Marginal Tietê, em São Paulo, foram arrematados por R$ 118,78 milhões em leilão encerrado nesta sexta (21), no final da manhã.

O lance mínimo pelos imóveis, cuja inauguração foi em 1968, era de R$ 110,53 milhões. Não foi revelado o nome do comprador.

A venda é parte do Plano de Recuperação Judicial do Grupo Abril, aprovado em agosto de 2019, visando enfrentar uma dívida que passava então de R$ 1,6 bilhão.

A revista Exame já havia sido arrematada por R$ 72,3 milhões pelo BTG Pactual, que hoje detém a maior parte da dívida do grupo. Uma outra unidade ainda será leiloada, reunindo imóveis de Campos do Jordão, no interior paulista.

A atenção do grupo se volta agora para a nova sede, na rua Cerro Corá, Alto da Lapa, zona oeste de São Paulo. O prédio está em fase final de reforma e, pós-pandemia, deverá incorporar um novo formato de trabalho.

Segundo o empresário e advogado Fábio Carvalho, que comprou a empresa da família Civita no final de 2018, os títulos da Abril, encabeçados pela revista Veja, estão em trabalho 100% remoto desde março de 2020, regime que deve ser mantido, em parte.

"Tomamos a decisão de que o modelo preponderante de trabalho na Abril daqui para a frente será híbrido, com a maior parte dos colaboradores podendo trabalhar remotamente parcelas superiores a 50% do tempo", diz ele.

"O escritório novo privilegiará espaços de convivência e colaboração e será usado primordialmente para os momentos em que for mais interessante e mais produtivo para os times se encontrarem presencialmente." Com isso, "a presença deixa de ser uma obrigatoriedade".

O presidente do Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo, Paulo Zocchi, diz que a entidade "defende que haja manutenção da jornada de trabalho, que a empresa arque com todos os custos do trabalho em home office e que continue responsável pelas condições de saúde dos funcionários".

Defende também que "haja plena liberdade de escolha para quem preferir trabalhar presencialmente".

Segundo Zocchi, "o sindicato vê que a empresa está obtendo grande vantagem financeira, pois poderá alugar um imóvel bem menor do que seria necessário para abrigar todas as redações", o que "permite um suporte financeiro aos funcionários em teletrabalho".