Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.232,74
    +1.308,56 (+1,22%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.563,98
    +984,08 (+1,98%)
     
  • PETROLEO CRU

    113,95
    +3,46 (+3,13%)
     
  • OURO

    1.823,50
    +15,30 (+0,85%)
     
  • BTC-USD

    29.840,67
    -1.138,50 (-3,68%)
     
  • CMC Crypto 200

    667,04
    +424,36 (+174,87%)
     
  • S&P500

    4.008,01
    -15,88 (-0,39%)
     
  • DOW JONES

    32.223,42
    +26,76 (+0,08%)
     
  • FTSE

    7.464,80
    +46,65 (+0,63%)
     
  • HANG SENG

    19.950,21
    +51,44 (+0,26%)
     
  • NIKKEI

    26.547,05
    +119,40 (+0,45%)
     
  • NASDAQ

    12.233,75
    -149,00 (-1,20%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2780
    +0,0189 (+0,36%)
     

Sede do Deutsche Bank é alvo de buscas da polícia na Alemanha

(Arquivo) A sede do Deutsche Bank em Frankfurt, Alemanha (AFP/ARMANDO BABANI) (ARMANDO BABANI)

A polícia da Alemanha fez buscas nesta sexta-feira (29) na sede do principal banco do país, Deutsche Bank, em uma investigação sobre lavagem de dinheiro que, segundo o jornal Handelsblatt, poderia estar relacionada com a família do presidente sírio Bashar al Assad.

"Funcionários da Polícia Criminal Federal [BKA, na sigla em alemão], do BaFin [supervisor financeiro] e da Ministério Público de Frankfurt participam" das operações, informou o Ministério Público federal.

A operação "está relacionada com relatos sobre suspeitas de lavagem de dinheiro", detalhou o Deutsche Bank, que acrescentou que "está cooperando plenamente com as autoridades".

Em casos deste tipo, as autoridades tentam saber se os relatórios bancários foram transmitidos nos prazos devidos.

As suspeitas se referem a transações que teria efetuado, "há alguns anos", o ex-vice-presidente sírio Rifaat Ali al-Assad, tio do presidente Bashar, segundo pessoas com conhecimento do expediente citadas pelo jornal econômico alemão Handelsblatt.

Apesar de Rifaat al Assad não ter sido cliente do Deutsche Bank, esta instituição pode ter servido para distribuir dinheiro a membros de sua família através de acordos técnicos com outros bancos, explicou o jornal.

O BaFin se negou a comentar as motivações da busca. Em 2021, o órgão supervisor havia instado a instituição bancária a reforçar sua luta contra a lavagem de dinheiro.

A sede do Deutsche Bank foi alvo de buscas em 2019 por apresentar relatórios considerados insuficientes sobre suspeitas de lavagem relacionadas com o banco dinamarquês Danske Bank. Este grupo esteve no centro de um esquema de lavagem de cerca de 20 bilhões de euros entre 2007 e 2015, através de sua filial na Estônia.

Depois, o Deutsche Bank chegou a um acordo para pagar 13,5 bilhões de euros pelos atrasos na entrega desses relatórios.

jpl-dac/mm/js/grp/rpr

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos