Mercado abrirá em 1 h 12 min

Sede de água de coco desaparece entre consumidores dos EUA

Carolina Gonzalez
·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Há apenas alguns anos, a água de coco voava das prateleiras dos supermercados. Enquanto os consumidores compravam cada vez mais a bebida naturalmente doce, fabricantes introduziam novas marcas e bares criavam coquetéis exclusivos.

Mas, como foi observado com a popularidade cada vez menor das batatas fritas sem gordura, os gostos mudam.

A água de coco encerrou sua ascensão meteórica e começou a perder participação à medida que consumidores se voltavam para outras opções da moda, incluindo as seltzers com sabor que ganharam popularidade recentemente. O último golpe veio com a recente decisão da Coca-Cola de descontinuar a marca de água de coco Zico, como parte de uma poda de “produtos de baixo desempenho”.

“A água de coco registrou um pico vários anos atrás, pois era a bebida popular do momento”, disse George Daines, comerciante global da categoria de bebidas do Whole Foods. “Os clientes agora têm muitas opções concorrentes para a ocasião de uso da água de coco.”

Desde o pico em 2016, as vendas de água de coco nos EUA caíram 16%, de acordo com dados da Euromonitor. A queda se acelerou nos últimos anos.

Marcas registraram quedas semelhantes. As vendas de varejo da Zico caíram cerca de 7% no ano passado, enquanto as da O.N.E., marca da PepsiCo, tiveram baixa de quase 13%, segundo a Euromonitor.

É verdade que a água de coco sempre teve seus detratores. Não é preciso pesquisar muito online para encontrar reclamações sobre a textura, cheiro ou sabor.

Mudança de mercado

Apesar dos problemas de algumas marcas, a demanda por água de coco em geral poderia aumentar durante a pandemia, que levou consumidores a estocarem bebidas, salgadinhos e produtos de limpeza. Esse fenômeno de carregamento de despensa impulsionou as vendas de muitos tipos de produtos embalados.

Michael Kirban, que fundou a Vita Coco, continua otimista com a categoria e com sua própria marca. Ele reconheceu a desaceleração em 2018 e no início de 2019, que atribuiu a problemas de como os varejistas posicionaram os produtos. Mas há sinais de recuperação mais recentemente, com o auxílio de novas ofertas, disse. As vendas de Vita Coco aumentaram 13% nas últimas 52 semanas e um pouco mais nos últimos meses.

E, mesmo que a categoria tropece novamente, a saída da Coca-Cola do segmento dá lugar para outras marcas entrarem.

“Com a saída da Zico e todas as outras marcas indo embora, isso nos dá mais presença de prateleira para introduzir mais inovação e mais pessoas na categoria”, disse Kirban, que é CEO da empresa. “Então, na verdade, estamos em um lugar muito interessante.”

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.