Mercado abrirá em 9 h 5 min
  • BOVESPA

    121.113,93
    +412,93 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    62,91
    -0,22 (-0,35%)
     
  • OURO

    1.778,20
    -2,00 (-0,11%)
     
  • BTC-USD

    57.185,98
    -2.384,79 (-4,00%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.303,31
    -88,40 (-6,35%)
     
  • S&P500

    4.185,47
    +15,05 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.200,67
    +164,67 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.019,53
    +36,03 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    29.223,48
    +253,77 (+0,88%)
     
  • NIKKEI

    29.767,67
    +84,30 (+0,28%)
     
  • NASDAQ

    14.045,00
    +15,50 (+0,11%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6701
    -0,0160 (-0,24%)
     

"Não tenho UTI para sua mãe e nem para você. Rico ou pobre", desabafa secretário de Saúde de RO

·2 minuto de leitura
Foto: AP Photo/Andre Penner
Foto: AP Photo/Andre Penner

Mesmo com a pandemia descontrolada em todas as regiões e tendo ultrapassado a marca dos 250 mil mortos pela pandemia do novo coronavírus, o Brasil segue assistindo aglomerações perigosas e festas clandestinas. Rondônia é um dos estados que já vive um colapso no sistema de saúde pela alta procura de pacientes infectados. 

Inicialmente, alguns pacientes que não conseguiram leitos no estado conseguiram transferências para outras localidades. Contudo, a medida acabou suspensa por conta do aumento de ocupação de leitos ao redor do país. Por isso, Fernando máximo, secretário de Saúde de Rondônia, fez um apelo em uma rede social para que as pessoas cumpram medidas de isolamento social. 

Leia também:

"Meu recado é para você, que aglomera; que faz festinha; você que não está usando máscara; [indo a] reuniãozinha e bebedeiras: Nós não temos leito de UTI para sua mãe! Não tem leito de UTI para o seu pai, para sua tia, para seu filho, para sua namorada! Não temos leito para você!", desabafou Máximo. 

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Ele também recriminou a postura de algumas pessoas que possuem condições financeiras para ir buscar tratamento contra a Covid-19 em outros estados do país, além de ressaltar o perigo da mutação do vírus que já se espalhou pelo Brasil. 

'Ah, mas eu tenho condição financeira, vou para o particular'. Lá está cheio também. 'Então eu vou para São Paulo'. Os grandes hospitais de São Paulo estão todos lotados. Nós precisamos nos cuidar. A cepa nova está aí, os leitos lotados, não estão aceitando pacientes fora. Eu não estou conseguindo aumentar leito", lamentou o secretário visivelmente emocionado. 

Máximo relata ainda que Rondônia enfrenta escassez de profissionais e que, diante do problema, precisou fechar leitos de UTI por falta de médicos. Ele também destaca que os profissionais que seguem atuando no enfrentamento da pandemia estão exaustos. Nesta sexta-feira (26), completa um ano da confirmação do primeiro caso de Covid-19 no Brasil. 

"Não adianta o governo e o governador trabalharem 24 horas por dia, a Secretaria de saúde trabalhar 24h, se você não fizer a sua parte. Preciso contar com você, cidadão, e eu não sei mais o que fazer para contar com você. Já fizemos apelos, mas tenho visto gente que não tem obedecido. Mas eu preciso falar de novo! Repito: não tem vaga de UTI para você, rico ou pobre; homem ou mulher; novo ou velho", finalizou.