Mercado fechará em 2 h 8 min
  • BOVESPA

    113.358,98
    +1.085,97 (+0,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.532,10
    +10,67 (+0,02%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,76
    +0,86 (+1,10%)
     
  • OURO

    1.944,30
    +5,10 (+0,26%)
     
  • BTC-USD

    23.131,29
    -47,87 (-0,21%)
     
  • CMC Crypto 200

    525,44
    +6,65 (+1,28%)
     
  • S&P500

    4.042,49
    +24,72 (+0,62%)
     
  • DOW JONES

    33.783,59
    +66,50 (+0,20%)
     
  • FTSE

    7.771,70
    -13,17 (-0,17%)
     
  • HANG SENG

    21.842,33
    -227,40 (-1,03%)
     
  • NIKKEI

    27.327,11
    -106,29 (-0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.085,25
    +117,25 (+0,98%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5326
    -0,0144 (-0,26%)
     

Secretaria vai propor políticas para financiamento de jornalismo e exigências de conteúdo nacional em streaming

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Decreto presidencial publicado no Diário Oficial deste domingo (1º) cria a Secretaria de Políticas Digitais, encarregada de políticas para enfrentamento à desinformação e ao discurso de ódio na internet, em articulação com o Ministério da Justiça.

Chefiada por João Brant, que foi secretário executivo do Ministério da Cultura no governo Dilma Rousseff (PT), a secretaria vai propor políticas relativas aos serviços digitais de informação e medidas de proteção a vítimas de violações de direitos no ambiente online.

Entre as atribuições da secretaria, que é subordinada à Secom (Secretaria Especial de Comunicação Social), está também a formulação de políticas para a promoção do pluralismo da mídia e para o desenvolvimento do jornalismo profissional.

Uma das linhas avaliadas é o Código Australiano de Barganha, que prevê arbitragem para as plataformas de internet negociarem pagamento de conteúdo noticioso produzido por veículos de imprensa.

"Tem havido várias experiências para o fortalecimento da jornalismo profissional, tem a Austrália, mas tem também Canadá, com outra linha, tem a União Europeia, e a gente pretende olhar para esse tema avaliando as experiências internacionais para fazer algo que fortaleça a diversidade e o pluralismo", diz Brant.

Brant é doutor em Ciência Política pela Universidade de São Paulo, com mestrado em Regulação e Políticas de Comunicação pela London School of Economics.

À frente da secretaria, também estará encarregado de propor e implementar políticas para a promoção de conteúdo brasileiro no ambiente digital e desenhar programas públicos de educação midiática. A ideia é algo semelhante às exigências de conteúdo nacional existentes para TV por assinatura para vídeo sob demanda e streaming.

Segundo Brant, a secretaria não irá propor diretamente políticas de moderação para as plataformas. "O mundo está discutindo critérios de moderação e mecanismos para proteger interesse público, mas não cabe à secretaria propor diretamente as políticas, caberá discussão ", disse.