Mercado abrirá em 5 h 4 min
  • BOVESPA

    106.419,53
    -2.295,02 (-2,11%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.206,59
    +372,79 (+0,72%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,64
    -1,01 (-1,19%)
     
  • OURO

    1.790,20
    -3,20 (-0,18%)
     
  • BTC-USD

    60.785,71
    -1.661,30 (-2,66%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.478,86
    -26,29 (-1,75%)
     
  • S&P500

    4.574,79
    +8,31 (+0,18%)
     
  • DOW JONES

    35.756,88
    +15,73 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.277,62
    +54,80 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    25.596,39
    -441,88 (-1,70%)
     
  • NIKKEI

    29.098,24
    -7,77 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    15.573,00
    +28,00 (+0,18%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4606
    +0,0065 (+0,10%)
     

Secretário de Guedes diz que plano do governo para cortar incentivo fiscal é 'menor do que a gente imaginava'

·3 minuto de leitura

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O secretário especial do Tesouro e Orçamento do Ministério da Economia, Bruno Funchal, afirmou nesta sexta-feira (24) que o plano de redução de incentivos fiscais apresentado pelo governo na última semana é menor do que o imaginado inicialmente.

Chamado de Plano de Redução Gradual de Incentivos e Benefícios Fiscais, o projeto prevê um corte de R$ 15 bilhões em gastos tributários no primeiro ano de vigência. O valor ultrapassaria R$ 22 bilhões em anos posteriores por meio da não prorrogação de outros benefícios fiscais.

"É um plano que tem potencial de redução de gasto tributário de até R$ 25 bilhões, ficou menor do que a gente imaginava. A gente imaginava que poderia chegar a R$ 150 bilhões", disse.

Os gastos tributários do governo superam hoje R$ 300 bilhões ao ano, de acordo com a Receita Federal.

Em videoconferência promovida pela Genial Investimentos, o secretário afirmou que foi feita uma análise jurídica para definir a intensidade dos cortes.

O envio da medida estava previsto na PEC (Proposta de Emenda à Constituição) Emergencial. O texto, aprovado em março deste ano, determinou que o presidente da República encaminhasse ao Congresso, em até seis meses, um plano de redução de benefícios tributários.

Objetivo da proposta era reduzir os benefícios tributários federais em 10% ao ano, de modo que o montante dessa conta não ultrapasse 2% do PIB no prazo de oito anos. Para efetivar os cortes propostos, o governo teria que reduzir à metade os incentivos existentes hoje, que estão pouco acima de 4% do PIB.

No entanto, o Congresso estabeleceu uma série de exceções, incentivos que não podem ser cortados. Entre eles, o Simples Nacional, entidades sem fins lucrativos, incentivos a produtores de Norte, Nordeste e Centro-Oeste, a Zona Franca de Manaus, itens da cesta básica e bolsas de estudo.

De acordo com Funchal, a conta do governo para propor esse volume subtraiu todas as exceções para depois calcular o percentual de corte. Por isso, a base foi menor.

O secretário disse ser importante abrir essa discussão no Congresso e criticou o projeto em análise pelos parlamentares para prorrogar até 2026 a desoneração da folha de pagamento de 17 setores.

"O importante é fazer o debate. Tão importante quanto reduzir é não renovar gastos tributários, e a gente está discutindo um agora, que é a desoneração da folha. A renovação dos gastos tributários está na direção contrária do que a gente precisa fazer", afirmou.

A equipe econômica avalia sugerir o veto ao projeto da desoneração caso ele seja aprovado. O argumento é que o texto não apresenta compensação para esse gasto tributário.

Contrário à medida direcionada a alguns setores, o ministro Paulo Guedes (Economia) defende uma desoneração ampla de encargos trabalhistas. Para compensar essa medida, ele é a favor da criação de um imposto aos moldes da extinta CPMF.

No entanto, diante de resistências internas do governo, Guedes não pretende apresentar ou defender em público o imposto. A equipe econômica trabalha para que essa proposta seja apresentada por iniciativa de parlamentares.

Na live desta sexta, Funchal disse que essa opção voltou ao debate em meio às negociações sobre a renovação da desoneração a 17 setores.

A desoneração substitui a base de cálculo da contribuição do empregador à Previdência Social. Em vez de 20% do valor do salário, paga-se um percentual que varia de 1% a 4,5% sobre o faturamento bruto.

Segundo a Economia informou, o governo abriria mão de arrecadar R$ 8,3 bilhões por ano, caso o benefício seja prorrogado.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos