Secretária do Tesouro confirma risco de default nos EUA em junho

Janet Yellen, secretária do Tesouro dos EUA
Janet Yellen, secretária do Tesouro dos EUA

A secretária do Tesouro dos Estados Unidos, Janet Yellen, disse que novos dados reforçaram um alerta anterior de que os Estados Unidos poderiam entrar em default já em 1º de junho, antes das conversas cruciais previstas para a terça-feira entre o presidente americano, Joe Biden, e líderes republicanos, sobre o aumento do teto da dívida no país.

O Tesouro tem alertado para as consequências "catastróficas" de os Estados Unidos ficarem sem dinheiro para pagar suas contas, deixando o país sem condições de pagar os funcionários públicos federais e provocando uma possível possível disparada nos juros, com grande impacto para empresas e pagadores de hipotecas.

"Ainda estimamos que o Tesouro não será mais capaz de cumprir todas as obrigações do governo se o Congresso não agir para levantar ou suspender o teto da dívida no começo de junho, potencialmente já em 1º de junho", escreveu Yellen, nesta segunda-feira (15), em carta ao presidente da Câmara de Representantes, o republicano Kevin McCarthy.

As conversas terão muito a abranger, com os dois partidos ainda muito divididos sobre os termos segundo os quais concordariam em suspender o teto do endividamento para cumprir os compromissos existentes de despesas.

Os republicanos insistem em que Biden concorde em fazer cortes de gastos significativos em troca de seu apoio para aumentar o teto da dívida, enquanto os democratas defendem um aumento "limpo" do limite de empréstimos sem contrapartidas.

Eles têm acusado os republicanos de usar táticas extremas para fazer sua agenda política passar antes da chamada "data X" - o dia em que os Estados Unidos serão incapazes de cumprir seus compromissos financeiros.

O Comitê de Orçamento do Congresso previu que a data X pode chegar em 15 de junho.

da-ft/dw/mvv