Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.113,93
    +413,26 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,07
    -0,39 (-0,61%)
     
  • OURO

    1.777,30
    +10,50 (+0,59%)
     
  • BTC-USD

    62.396,23
    +770,02 (+1,25%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,97
    +7,26 (+0,52%)
     
  • S&P500

    4.185,47
    +15,05 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.200,67
    +164,68 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.019,53
    +36,03 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.969,71
    +176,57 (+0,61%)
     
  • NIKKEI

    29.683,37
    +40,68 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    14.024,00
    +10,00 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6872
    -0,0339 (-0,50%)
     

Secretária do Tesouro americano faz apelo a grandes economias

·1 minuto de leitura
A secretária do Tesouro dos Estados Unidos, Janet Yellen

A secretária do Tesouro dos Estados Unidos, Janet Yellen, fez uma apelo nesta quinta-feira (8) às principais economias do mundo para que utilizem recursos "significativos" para garantir a recuperação da economia após os estragos provocados pela pandemia de covid-19.

Apesar das perspectivas melhores, em particular devido ao apoio substancial dos governos, "o trabalho ainda não terminou", afirmou Yellen em um comunicado enviado ao Fundo Monetário Internacional (FMI) e ao Banco Mundial.

"Eu peço às grandes economias que não apenas evitem a retirada do apoio muito cedo, mas que se esforcem para fornecer valores significativos de novas ajudas fiscais para garantir uma recuperação robusta", completou a secretária do Tesouro.

Yellen destacou o pacote de estímulo de 1,9 trilhão de dólares aprovado no mês passado nos Estados Unidos e o plano de infraestrutura de Joe Biden, também voltado para criar empregos e que alcança dois trilhões de dólares, e que foi apresentado na semana passada.

O FMI celebrou o fato de que quase 16 trilhões de dólares investidos por vários governos evitaram um dano maior à economia, que enfrentou na crise a pior recessão já registrada em tempos de paz.

Com os estímulos à economia colocados em prática nos Estados Unidos, Yellen projeta que o país "poderia alcançar o pleno emprego no próximo ano".

Porém, muitos países em desenvolvimento não têm os recursos para apoiar suas economias e por isso ela pediu às instituições multilaterais que continuem a concentrar seus recursos limitados nos que mais precisam.

Yellen destacou que terminar com a crise de saúde continua sendo central para a recuperação e prometeu o apoio dos Estados Unidos na distribuição de vacinas e para assegurar que o "financiamento não vire um obstáculo para a vacinação global".

hs/dw/an/yow/fp