Mercado abrirá em 9 h 24 min
  • BOVESPA

    99.605,54
    -1.411,42 (-1,40%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.001,31
    -244,55 (-0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    38,73
    -0,84 (-2,12%)
     
  • OURO

    1.908,40
    -3,50 (-0,18%)
     
  • BTC-USD

    13.768,90
    +14,14 (+0,10%)
     
  • CMC Crypto 200

    272,49
    +11,20 (+4,29%)
     
  • S&P500

    3.390,68
    -10,29 (-0,30%)
     
  • DOW JONES

    27.463,19
    -222,19 (-0,80%)
     
  • FTSE

    5.728,99
    -63,02 (-1,09%)
     
  • HANG SENG

    24.631,15
    -156,04 (-0,63%)
     
  • NIKKEI

    23.398,64
    -87,16 (-0,37%)
     
  • NASDAQ

    11.528,25
    -59,75 (-0,52%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7199
    -0,0033 (-0,05%)
     

Secom divulga informação falsa ao afirmar que área queimada em 2020 foi a menor dos últimos 18 anos

Agência Lupa
·2 minutos de leitura
Secom divulga informação falsa ao afirmar que área queimada em 2020 foi a menor dos últimos 18 anos - Foto: Reprodução
Secom divulga informação falsa ao afirmar que área queimada em 2020 foi a menor dos últimos 18 anos - Foto: Reprodução

por JULIANA ALMIRANTE

A Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República (Secom) publicou um tuíte, no último sábado (26), afirmando que a área atingida por queimadas no país em 2020 foi a menor dos últimos 18 anos. De acordo com o órgão, os números teriam como fonte o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) e levariam em conta os focos de incêndio registrados no Pantanal, na Amazônia e em outros biomas. A Lupa checou as informações divulgadas pela Secom. Confira o resultado:

Secom divulga informação falsa ao afirmar que área queimada em 2020 foi a menor dos últimos 18 anos - Foto: Reprodução
Secom divulga informação falsa ao afirmar que área queimada em 2020 foi a menor dos últimos 18 anos - Foto: Reprodução

“Mesmo com os focos de incêndio que acometem o Pantanal e outros biomas brasileiros, a área queimada em todo o território nacional é a menor dos últimos 18 anos”

Trecho de tuíte publicado pela Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República em 26 de setembro de 2020

FALSO

A área queimada entre janeiro e agosto de 2020, correspondente a 121,3 mil quilômetros quadrados (dado mais recente disponível), não foi a menor dos últimos 18 anos. De acordo com a série histórica do Inpe, o fogo danificou uma extensão bem menor do território brasileiro no mesmo período em 2018, quando os incêndios atingiram 76,5 mil quilômetros quadrados. Esse foi o menor índice registrado pelo órgão desde 2003.

A Secom errou porque comparou o número disponível para 2020, que considera apenas os oito primeiros meses de 2020, com os totais registrados pelo Inpe de janeiro a dezembro dos anos anteriores. A própria página do programa Queimadas do instituto permite ver os totais registrados para o mesmo período desde 2003. Além de 2018, houve resultados inferiores ao atual também nos anos de 2009 (77,1 mil quilômetros quadrados), 2013 (81,5 mil quilômetros quadrados), 2011 (93 mil quilômetros quadrados), 2017 (96,3 mil quilômetros quadrados), 2015 (99,2 mil quilômetros quadrados), 2008 (100,4 mil quilômetros quadrados) e 2014 (118,6 mil quilômetros quadrados).

Procurada pela Lupa, a Secom não respondeu até a publicação desta checagem.

“Dados do @inpe_mct revelam que 2007 foi o ano em que o Brasil mais sofreu com as queimadas”

Trecho de tuíte publicado pela Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República em 26 de setembro de 2020

FALSO

O ano com a maior extensão de área queimada de janeiro a agosto, segundo o Inpe, foi 2010. Na época, os incêndios atingiram 234,9 mil quilômetros quadrados do território brasileiro. Em seguida aparecem 2007 (224 mil quilômetros quadrados) e 2005 (191,2 mil quilômetros quadrados). De acordo com os dados do Inpe, 2020 fica na 11ª posição na lista de anos que registraram a maior área queimada no país.

Procurada pela Lupa, a Secom não respondeu até a publicação desta checagem.

Editado por: Maurício Moraes