Mercado fechará em 6 h 12 min
  • BOVESPA

    112.369,11
    +2.119,38 (+1,92%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.828,13
    0,00 (0,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,68
    +1,19 (+1,69%)
     
  • OURO

    1.776,20
    -2,00 (-0,11%)
     
  • BTC-USD

    42.164,58
    -1.002,91 (-2,32%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.056,32
    +15,84 (+1,52%)
     
  • S&P500

    4.371,18
    +16,99 (+0,39%)
     
  • DOW JONES

    34.102,40
    +182,56 (+0,54%)
     
  • FTSE

    7.077,08
    +96,10 (+1,38%)
     
  • HANG SENG

    24.221,54
    +122,40 (+0,51%)
     
  • NIKKEI

    29.639,40
    -200,31 (-0,67%)
     
  • NASDAQ

    15.037,25
    +13,25 (+0,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1967
    +0,0176 (+0,28%)
     

Seca e geadas devem tirar ao menos R$ 60 bi do PIB deste ano, indica consultoria

·6 minuto de leitura
Tangara da Serra, MT. 04/03/2021. PROJETO PANTANAL. Plantacao de soja na Chapada dos Parecis na regiao das cabeceiras do rio Jauru. (Foto: Lalo de Almeida/ Folhapress )
Tangara da Serra, MT. 04/03/2021. PROJETO PANTANAL. Plantacao de soja na Chapada dos Parecis na regiao das cabeceiras do rio Jauru. (Foto: Lalo de Almeida/ Folhapress )

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - A seca prolongada e o registro de geadas provocam uma conta de prejuízos econômicos que ganhou força nas últimas semanas e assusta especialistas, empresários e consumidores no país.

Em conjunto, as alterações climáticas espalham reflexos negativos pela economia, atingindo desde a produção agropecuária até o bolso das famílias nas cidades.

Safra menor no campo, aumento de custos para indústria e serviços e escalada da inflação ilustram a sequência de efeitos associados aos fenômenos extremos.

O quadro representa um desafio adicional para a tentativa de reação econômica durante a pandemia e, segundo analistas, ameaça atrasar até decisões de investimento de empresas.

Para piorar, as dificuldades não devem se restringir a 2021. O aumento de custos e a pressão inflacionária tendem a ultrapassar a virada do ano.

A consultoria MB Associados estima que, sem os impactos adversos do clima, o PIB (Produto Interno Bruno) poderia crescer 5,5% em 2021. Por causa dos prejuízos com a crise hídrica e o frio intenso, o avanço deve ser menor, de 4,7%.

Na prática, isso significa uma perda de cerca de R$ 60 bilhões para o PIB em razão do clima, aponta a previsão.

Segundo o economista-chefe da MB Associados, Sérgio Vale, essa é uma projeção otimista para as perdas, pois o dano pode ser maior se ocorrerem efeitos mais drásticos do clima sobre a atividade produtiva até o final do ano. Entre eles, está o risco de racionamento de energia elétrica devido à crise hídrica, o que comprometeria a operação de vários setores.

"É uma situação assustadora em termos climáticos. A seca histórica atinge agricultura e energia. O impacto na agricultura já aparece com mais intensidade. Na energia, o efeito até agora é de aumento de preços, mas ainda temos a questão do [risco de] racionamento", analisa Vale. "São questões que não terminam na virada do ano", completa.

As dificuldades climáticas começaram a ganhar corpo com a escassez de chuva no verão. Reservatórios de hidrelétricas foram afetados no Sudeste e no Centro-Oeste. Com isso, usinas térmicas tiveram de ser acionadas, o que aumenta o custo de geração de energia e encarece a conta de luz para os consumidores.

De acordo com o ONS (Operador Nacional do Sistema Elétrico), os reservatórios do Sudeste e do Centro-Oeste estão com capacidade de armazenamento inferior a 25%.

Enquanto isso, os preços da energia subiram 20,09% para os consumidores no acumulado de 12 meses até julho, apontam dados do IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo). O índice de inflação, em termos gerais, chegou a 8,99% no mesmo período.

Para tentar conter a escalada inflacionária, o Copom (Comitê de Política Monetária do Banco Central) passou a subir a taxa básica de juros, a Selic. Os juros mais altos, aliados ao aumento nos custos produtivos com a energia mais cara, jogam contra investimentos de empresas, ressalta Ricardo Jacomassi, sócio e economista-chefe da TCP Partners.

"Há um impacto nessas decisões. Alguns setores acabam adiando investimentos", comenta.

O alerta com a crise hídrica aparece em uma pesquisa recente da CNI (Confederação Nacional da Indústria). Segundo o estudo, nove em cada dez empresários do setor relatam preocupação com a escassez de chuva.

Os dados apontam que os industriais temem principalmente o aumento nos custos de energia (83%). Possível racionamento (63%) e chance de interrupções no fornecimento de luz (61%) também são ameaças citadas.

"A energia mais alta vai ter reflexos na competitividade das empresas, porque a produção fica mais cara", afirma Davi Bomtempo, gerente-executivo de Meio Ambiente e Sustentabilidade da CNI.

"Vamos entrar no próximo ano com esse efeito de carregamento, com os reservatórios [de hidrelétricas] em níveis mais baixos", emenda.

Depois dos impactos da seca, o registro de geadas em julho, nas regiões Sudeste, Sul e Centro-Oeste, agravou a situação de parte das lavouras. O frio intenso queimou plantações diversas, de café e milho a hortaliças e pastagens.

Diante desse quadro, a Conab (Companhia Nacional de Abastecimento) cortou sua estimativa para a safra de grãos de 2020/2021. Assim, a produção não deve mais bater recorde. A expectativa atual indica colheita de 254 milhões de toneladas de grãos, volume 1,2% menor frente à temporada anterior.

Em nota, a Conab sublinhou que a redução está associada aos "danos causados pela seca prolongada nas principais regiões produtoras" e "às baixas temperaturas com eventos de geadas".

O produtor de café Joaquim Ribeiro de Ávila, 59, contabiliza os prejuízos com a estiagem e, principalmente, com o frio intenso de julho em Alfenas, no sul de Minas Gerais. Ávila tem plantações distribuídas em duas áreas que somam 28 hectares.

O agricultor conta que parte dos cafezais mais antigos foi totalmente danificada pela geada. Por isso, as plantas terão de ser arrancadas e substituídas, mas as novas mudas só devem começar a produzir em três anos.

"Tenho 23 anos de trabalho com café. Nunca tinha presenciado uma geada dessa magnitude aqui na região", relata.

Culturas como o milho no Paraná e a cana-de-açúcar em São Paulo também foram abaladas pelo frio em julho.

Na visão de analistas, a situação tende a pressionar os preços ao longo da cadeia produtiva, gerando efeitos até as gôndolas dos supermercados. Ainda não há certeza sobre a velocidade e a magnitude dos repasses.

A saca de milho, por exemplo, subiu cerca de 25% neste ano, sinalizam dados do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada). A disparada do café foi ainda maior, na faixa de 70%. A saca da variedade arábica rompeu a barreira simbólica dos R$ 1.000.

Outro efeito da seca e das geadas é o aumento nos custos de alimentação de animais no campo. Com a perda de pastagens devido aos extremos climáticos, o gado passa a receber mais ração, que ficou mais cara com a alta de insumos como o milho. Isso também deve gerar efeitos sobre os valores finais de itens como carne e leite.

No campo, o preço médio do leite já disparou. Conforme o Cepea, o valor pago ao produtor brasileiro em julho chegou a R$ 2,3108 por litro. É o recorde real --que leva em conta a inflação-- da série histórica, com dados desde 2005.

Na visão do Cepea, foi justamente o aumento nos custos que puxou a elevação, e não a rentabilidade maior para quem aposta na atividade.

O economista Fábio Astrauskas, professor do Insper e sócio-diretor da Siegen Consultoria, afirma que a situação assusta devido ao conjunto de fatores negativos espalhados por diferentes setores. "É um desafio adicional para a economia", define.

Astrauskas também salienta que indústrias podem ter a capacidade de produção reduzida em caso de racionamento de energia.

Para Jacomassi, da TCP Partners, os extremos climáticos reforçam a necessidade de preocupação no país com a preservação ambiental e as políticas de sustentabilidade.

"Essa agenda ainda está um pouco distante do governo atual. Deveria estar mais presente", pontua.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos