Mercado fechará em 3 h 29 min
  • BOVESPA

    113.790,04
    -1.272,50 (-1,11%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.192,33
    +377,16 (+0,73%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,49
    -0,12 (-0,17%)
     
  • OURO

    1.754,40
    -40,40 (-2,25%)
     
  • BTC-USD

    47.992,98
    -224,91 (-0,47%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.233,11
    -0,18 (-0,01%)
     
  • S&P500

    4.460,40
    -20,30 (-0,45%)
     
  • DOW JONES

    34.685,19
    -129,20 (-0,37%)
     
  • FTSE

    7.027,48
    +10,99 (+0,16%)
     
  • HANG SENG

    24.667,85
    -365,36 (-1,46%)
     
  • NIKKEI

    30.323,34
    -188,37 (-0,62%)
     
  • NASDAQ

    15.435,75
    -68,25 (-0,44%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1827
    -0,0133 (-0,21%)
     

Seca dificulta entrada do Brasil em rali global do alumínio

·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Mesmo com os preços do alumínio em alta, a prolongada crise hídrica no Brasil dificulta a retomada de investimentos em nível suficiente para que o país volte a ser um grande exportador do metal.

Os preços da energia precisariam cair, acompanhados de um cenário menos incerto para a geração de eletricidade antes que o Brasil possa começar a recuperar sua posição no mercado global de alumínio, disse Janaina Donas, presidente-executiva da Associação Brasileira do Alumínio (ABAL). A eletricidade representa mais de 70% do custo de produção do metal refinado no país.

“O preço é um elemento importante e está favorável, mas não é o único. A questão do custo da energia ainda precisa ser endereçada no Brasil”, disse a presidente da ABAL em entrevista na segunda-feira. “Não sei se poderíamos voltar a ser exportadores, mas pelo menos autossuficientes”, disse, sem dar um prazo. O Brasil é importador líquido de alumínio desde 2014.

No passado, produtores de alumínio investiram bilhões de dólares no País, rico em bauxita, para aproveitar a energia hidrelétrica, antes barata e abundante, tornando o país o sexto maior produtor de alumínio primário do mundo. Com as várias crises de energia, fábricas foram desativadas e o Brasil caiu para o 15º lugar no ranking de produção.

Agora, a pior seca em quase um século piora as perspectivas para o abastecimento de energia no país.

Os custos da energia para a indústria brasileira de alumínio triplicaram entre 2001 e 2019, segundo a ABAL.

Donas diz que o cenário hoje difere daquele da crise energética de 2001. A indústria investiu em autogeração e têm planos de contingência, mas a falta de previsibilidade preocupa. “Uma interrupção não planejada no suprimento de energia de um forno pode ter um efeito às vezes irreparável na produção”, disse.

O setor ainda analisa a possibilidade de adesão ao programa de Redução Voluntária de Energia Elétrica (RVD) da indústria apresentado pelo governo.

More stories like this are available on bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos