Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.061,99
    -871,79 (-0,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.623,41
    +94,44 (+0,19%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,79
    -0,88 (-1,40%)
     
  • OURO

    1.792,80
    +14,40 (+0,81%)
     
  • BTC-USD

    55.994,37
    -42,25 (-0,08%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.286,42
    +23,46 (+1,86%)
     
  • S&P500

    4.156,64
    +21,70 (+0,52%)
     
  • DOW JONES

    33.989,83
    +168,53 (+0,50%)
     
  • FTSE

    6.905,91
    +46,04 (+0,67%)
     
  • HANG SENG

    28.621,92
    -513,81 (-1,76%)
     
  • NIKKEI

    28.508,55
    -591,83 (-2,03%)
     
  • NASDAQ

    13.841,50
    +47,25 (+0,34%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7022
    -0,0003 (-0,00%)
     

Sebrae: Mais de 98 mil micro e pequenas empresas foram abertas no 1º bimestre

Redação Finanças
·1 minuto de leitura
Bares e restaurantes de Botafogo ficam vazios na hora do almoço, no Rio de Janeiro.
Abertura de lanchonetes teve queda de 37% no bimestre, seguida de restaurantes, com menos 34%

No primeiro bimestre de 2021, mais de 98,1 mil micro e pequenas foram abertas em todo o país, segundo um levantamento feito pelo Sebrae com base em dados da Receita Federal. O número foi 1,7% abaixo do registrado no mesmo período em 2020.

Leia também:

O mês de janeiro teve 55,9 mil empresas cadastradas, 57% do total do bimestre. Apesar de um crescimento de 12,6% em relação ao mesmo período do ano anterior, o desempenho baixo de fevereiro - com queda de 15,8% em relação ao mesmo período de 2020 - puxou o resultado total para baixo. 

No segundo mês do ano, dos 20 segmentos com maior registro de abertura, 18 registraram uma queda significativa em relação ao mesmo período do ano anterior. As atividades de lanchonetes e similares teve queda de 37%, seguida de restaurantes, com menos 34%. No comércio varejista, a abertura de mercearias e minimercados caiu 26% e a de vestuário 24%.  

Somente duas atividades apresentaram aumento: consultoria em gestão empresarial, com alta de 6%, e atividade de corretagem compra e avaliação de imóveis, que subiu 4% em relação a fevereiro de 2020.

A queda vista no segundo mês do ano pode retratar as dificuldades enfrentadas pelos empreendedores com o avanço da pandemia do coronavírus, segundo o presidente do Sebrae, Carlos Melles. “Voltamos a conviver com medidas mais restritivas do comércio nos estados e isso impacta diretamente no desempenho dos pequenos negócios no país, principalmente os ligados aos ramos de alimentação e vestuário”, afirmou.