Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.038,11
    +2.117,50 (+1,77%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.249,02
    +314,11 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,82
    +0,11 (+0,17%)
     
  • OURO

    1.832,00
    +16,30 (+0,90%)
     
  • BTC-USD

    58.619,21
    +1.434,44 (+2,51%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.480,07
    +44,28 (+3,08%)
     
  • S&P500

    4.232,60
    +30,98 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    34.777,76
    +229,23 (+0,66%)
     
  • FTSE

    7.129,71
    +53,54 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    28.610,65
    -26,81 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    29.357,82
    +26,45 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.715,50
    +117,75 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3651
    -0,0015 (-0,02%)
     

Sebrae e INPI capacitarão empresários para registrarem patentes

Pedro Peduzzi - Repórter da Agência Brasil
·2 minuto de leitura

O Sebrae e o Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI) assinaram hoje (30) um acordo de cooperação técnica que pretende capacitar pequenos e médios empresários a registrarem as patentes de seus produtos. A expectativa é que mais de 2 mil empreendedores e pesquisadores sejam selecionados para participar das capacitações sobre propriedade intelectual.

“Pretendemos ajudar a valorizar a identidade de nossas empresas, que é o que chamamos de marca. Queremos começar uma pequena revolução com pequenos e médios empresários, por meio de capacitação, ensinando as regras do jogo a eles, com ações de mentoria que os ajudarão a fazer os pedidos de patentes e, dessa forma, para que tenham a sua marca”, disse o presidente do INPI, Cláudio Furtado durante evento online, ao lembrar que as taxas cobradas pelo instituto para o registro de propriedade são “baixíssimas”.

A iniciativa possibilitará a criação de um serviço de apoio para o depósito de marcas no Brasil e no exterior, além de dar apoio sobre uso de propriedade intelectual para fazer negócios no exterior.

“Entendemos que as empresas precisam de marca, patentes de invenção, modelos de utilidade, desenhos industriais e serem usuárias de contratos de transferência de tecnologias ou de cessão de marcas ou de indicação geográfica, no caso de produto agrícola. A partir de agora estamos em campo para fazer isso acontecer”, acrescentou.

Segundo o secretário da Secretaria Especial de Produtividade, Emprego e Competitividade do Ministério da Economia, Carlos da Costa, a iniciativa representa “um marco de produtividade e competitividade que gerará empregos a nosso país”.

Para o presidente do Sebrae, Carlos Melles, o acordo assinado hoje representa um “salto maravilhoso”. "Vamos capacitar mais de 2 mil colaboradores, entre pesquisadores e empreendedores, junto ao INPI. Trataremos de selo de qualidade, de identidades geográficas e da denominação de origem, feita tão bem pelos franceses para valorizarem seus produtos”.