Mercado abrirá em 6 mins
  • BOVESPA

    119.564,44
    +1.852,44 (+1,57%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.399,80
    +71,60 (+0,15%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,28
    -0,35 (-0,53%)
     
  • OURO

    1.794,80
    +10,50 (+0,59%)
     
  • BTC-USD

    57.617,14
    +2.122,39 (+3,82%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.480,10
    +74,79 (+5,32%)
     
  • S&P500

    4.167,59
    +2,93 (+0,07%)
     
  • DOW JONES

    34.230,34
    +97,34 (+0,29%)
     
  • FTSE

    7.047,86
    +8,56 (+0,12%)
     
  • HANG SENG

    28.637,46
    +219,46 (+0,77%)
     
  • NIKKEI

    29.331,37
    +518,77 (+1,80%)
     
  • NASDAQ

    13.484,00
    -7,00 (-0,05%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4449
    +0,0180 (+0,28%)
     

Seara, da JBS, tem aval do Cade para comprar ativos de creme vegetal da Bunge

·1 minuto de leitura
Unidade da JBS em Jundiaí (SP)

SÃO PAULO (Reuters) - A Seara Alimentos, do grupo JBS, recebeu autorização do órgão brasileiro de defesa da concorrência para a aquisição de ativos de creme vegetal e gordura vegetal da norte-americana Bunge.

A operação foi aprovada sem restrições pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), de acordo com publicação no Diário Oficial da União desta quarta-feira.

As empresas assinaram memorando de entendimento vinculante em 10 de março sobre a transação, pelo qual a Seará comprará os negócios de creme vegetal tipo chantilly, creme vegetal culinário e gordura vegetal refrigerada em embalagens de 500 gramas da Bunge, segundo parecer do Cade.

O valor da aquisição não foi divulgados nos documentos disponibilizados pelo órgão estatal.

Para a Seara, a operação permitirá a entrada nos mercados de chantilly, creme vegetal e gordura vegetal, além de representar "oportunidade de reduzir custos logísticos e de aumentar a sua eficiência no mercado de food service, para competir e rivalizar em melhores condições com os demais players do segmento", apontou o Cade em sua análise.

Já a Bunge disse ao órgão que o movimento decorre de sua estratégia de "manter o foco na cadeia de abastecimento de carga seca, nos segmentos de vendas para o mercado de transformação (B2B) e vendas para o consumidor final".

Segundo a empresa, os ativos negociados com a Seara não tinham "sinergia comercial e sinergia logística" com seus planos futuros.

(Por Luciano Costa)