Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.800,79
    -3.874,21 (-3,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.868,32
    -766,28 (-1,48%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,81
    -0,14 (-0,19%)
     
  • OURO

    1.812,50
    -0,10 (-0,01%)
     
  • BTC-USD

    41.481,93
    +236,11 (+0,57%)
     
  • CMC Crypto 200

    955,03
    +5,13 (+0,54%)
     
  • S&P500

    4.395,26
    -23,89 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    34.935,47
    -149,03 (-0,42%)
     
  • FTSE

    7.032,30
    -46,12 (-0,65%)
     
  • HANG SENG

    25.961,03
    -354,27 (-1,35%)
     
  • NIKKEI

    27.283,59
    -498,81 (-1,80%)
     
  • NASDAQ

    14.966,50
    +10,75 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1880
    +0,1475 (+2,44%)
     

Se passar, eu veto, diz Bolsonaro sobre projeto que cria 'passaporte da vacina'

·3 minuto de leitura
BRASÍLIA, DF, 15.06.2021 - EVENTO-DF: O Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI) realiza nesta terça-feira (15), no Salão Nobre do Palácio do Planalto, em Brasília, a cerimônia de assinatura do acordo de cooperação que oficializa a participação brasileira no programa da Agência Espacial Americana (NASA), intitulado como Artemis. A solenidade conta com a presença do presidente da República, Jair Bolsonaro, do ministro do MCTI, astronauta Marcos Pontes, do ministro das Relações Exteriores, Carlos Alberto França, e do embaixador dos Estados Unidos no Brasil, Todd Chapman. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
BRASÍLIA, DF, 15.06.2021 - EVENTO-DF: O Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI) realiza nesta terça-feira (15), no Salão Nobre do Palácio do Planalto, em Brasília, a cerimônia de assinatura do acordo de cooperação que oficializa a participação brasileira no programa da Agência Espacial Americana (NASA), intitulado como Artemis. A solenidade conta com a presença do presidente da República, Jair Bolsonaro, do ministro do MCTI, astronauta Marcos Pontes, do ministro das Relações Exteriores, Carlos Alberto França, e do embaixador dos Estados Unidos no Brasil, Todd Chapman. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) criticou nesta terça-feira (15) a proposta que cria um passaporte da vacinação contra a Covid e prometeu vetar o texto caso ele seja aprovado no Congresso.

"O que tu acha do passaporte da Covid? Tem uma onda ontem aí, estourou nas redes sociais. Sem comentários, né? A vacina vai ser obrigatória no Brasil? Não tem cabimento", disse Bolsonaro, em conversa com apoiadores em frente ao Palácio da Alvorada. A fala foi transmitida por um site bolsonarista.

"Alguns falam [que] para você viajar tem que ter um cartão de vacinação. Ora, cada país faça as suas regras. Se para ir para tal país tem que ter tomado tal vacina e você não tomar, você não entra", disse Bolsonaro.

"Eu não acredito que [o projeto] passe pelo Parlamento. Se passar eu veto, daí o Parlamento vai analisar o veto. Se derrubar, daí é lei", acrescentou.

O Senado aprovou na quinta (10) a criação de um passaporte de vacinação que poderá ser cobrado para autorizar a entrada de pessoas em espaços públicos e privados, como transporte coletivo, hotéis e parques.

A matéria ainda precisa ser analisada pela Câmara dos Deputados.

A fala do presidente contraria posicionamentos apresentados em mais de uma ocasião pelo ministro Paulo Guedes (Economia), que apoia o chamado passaporte da imunidade e defende a vacinação em massa para permitir um retorno seguro das pessoas ao trabalho.

Em entrevista à imprensa no ano passado, Guedes disse que gosta da ideia do passaporte e usou como exemplo shoppings e empresas, que poderiam cobrar comprovação de que a pessoa foi vacinada.

“Tem que ter vacina pra todo mundo, gratuita e de livre escolha de cada um. E se alguém não quiser tomar, ele tem o direito de não tomar. Agora, ele também não deve ir num cinema. Ele não tomou, [o vírus] pode estar inoculado, passando isso para os outros, ele tem que ter a circulação restrita”, afirmou o ministro.

Guedes foi procurado nesta terça, mas não havia se manifestado até a última atualização deste texto.

Chamado de Certificado de Imunização e Segurança Sanitária (CSS), o documento é inspirado no Certificado Verde Digital, criado pela União Europeia. Apesar da fala de Bolsonaro, o projeto teve apoio do governo e da oposição e segue para análise da Câmara dos Deputados.

De acordo com as regras, o certificado poderá ser impresso ou acessado em plataforma digital e gratuita para comprovar que quem o porta teve resultado negativo para o coronavírus ou já tomou vacina contra a Covid-19 ou outras doenças que possam vir a causar surtos e pandemias no país.

A proposta determina que a autoridade competente defina quais imunizantes e testes serão aceitos no comprovante.

Caberá à União, aos estados, ao Distrito Federal e aos municípios definir onde a apresentação do certificado será obrigatória. No caso de adoção de medidas restritivas, o titular do CSS atualizado não poderá ser impedido de entrar em, circular por ou utilizar esses locais, desde que respeite as medidas sanitárias profiláticas determinadas.

Os estabelecimentos que exigirem o documento deverão divulgar a seguinte mensagem na entrada: “O ingresso neste local está condicionado à apresentação do Certificado de Imunização e Segurança Sanitária (CSS)”.

Pelo projeto, os comércios e empresas que cumprirem as medidas não poderão sofrer sanções ou restrições ou serem impedidas de funcionar, mas deverão cumprir as demais regras para evitar a proliferação do vírus definidas pelos governos.

O texto também prevê que, caso seja estabelecida a necessidade de apresentação do Certificado Internacional de Vacinação e/ou testagem para entrada no Brasil, os postos consulares no exterior poderão intermediar a emissão do CSS.

Se for instituída alguma cobrança para expedir o documento fora do país, o projeto determina que os estudantes brasileiros que comprovarem que estudam, pesquisam ou participam de atividade de extensão no exterior fiquem isentos do pagamento.

A plataforma digital do CSS será operada pela União, em coordenação com estados, Distrito Federal, municípios e serviços públicos e privados de saúde credenciados. Caberá ao governo federal criar a fonte orçamentária para implantação do passaporte.

O projeto determina que haverá responsabilização nas esferas civil, administrativa e penal para quem produzir, utilizar ou comercializar certificado falso.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos