Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.976,70
    -2.854,30 (-2,55%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.668,64
    -310,36 (-0,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    75,92
    -0,36 (-0,47%)
     
  • OURO

    1.753,10
    -0,90 (-0,05%)
     
  • BTC-USD

    16.471,33
    -3,38 (-0,02%)
     
  • CMC Crypto 200

    387,32
    +4,67 (+1,22%)
     
  • S&P500

    4.026,12
    -1,14 (-0,03%)
     
  • DOW JONES

    34.347,03
    +152,93 (+0,45%)
     
  • FTSE

    7.486,67
    +20,07 (+0,27%)
     
  • HANG SENG

    17.573,58
    -87,32 (-0,49%)
     
  • NIKKEI

    28.172,52
    -110,51 (-0,39%)
     
  • NASDAQ

    11.716,50
    -66,25 (-0,56%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,6176
    -0,0068 (-0,12%)
     

Se inflação não mirar a meta em 2023, BC vai reagir, diz Campo Neto

*ARQUIVO* BRASILIA, DF, 01.10.2020 - O presidente do Banco Central,  Roberto Campos Neto, posa para foto, na sala do COPOM na sede do Banco Central, em Brasília (DF). (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
*ARQUIVO* BRASILIA, DF, 01.10.2020 - O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, posa para foto, na sala do COPOM na sede do Banco Central, em Brasília (DF). (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF - SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Presidente do BC (Banco Central), Roberto Campos Neto afirmou nesta sexta-feira (18) que os rumos da política fiscal a partir de 2023 serão essenciais para entender como se dará o trabalho da política monetária no ano que vem -ou seja, em que patamar vai ficar a taxa básica de juros, hoje de 13,75% ao ano..

"Precisamos entender como o fiscal vai se desenvolver", afirmou Campos Neto, durante evento em São Paulo. Ele disse que a incerteza sobre a condução da política fiscal nos próximos meses fez com que o mercado passasse a precificar uma alta de juros no curto prazo.

Até então, o mercado projetava o início da reversão do ciclo de aperto monetário, ou seja, cortes na taxa básica (Selic) entre fevereiro e junho de 2023.

"Ainda tem algum trabalho a ser feito, segundo as expectativas do mercado", afirmou Campos Neto.

Ele preferiu não ser assertivo sobre qual será a reação do BC no próximo ano por ainda existir um nível elevado de incerteza sobre qual será a política fiscal adotada pelo governo de Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

"Não posso trabalhar com suposições. Precisamos esperar para ver o que de fato será aprovado", disse o presidente do BC. Mas ele disse também que, se a convergência com o qual a autoridade monetária trabalha para a inflação em direção à meta não ocorrer conforme o esperado, "vamos reagir".

presidente do BC disse ainda que a figura da política fiscal no momento pode ser considerada positiva, mas ressaltou que a maior preocupação é que os programas adotados nos últimos meses venham a se tornar permanentes.

Ele afirmou que até aqui o mercado está tendo bastante dificuldade para entender qual será a nova política fiscal do governo nos próximos anos. E que, a depender da nova estrutura da política fiscal, ela poderá interferir na forma como o BC olha o cenário à frente. "É importante ter coordenação da política fiscal e monetária nesse estágio do ciclo."

Campos Neto comentou também sobre o fim do teto de gastos e a reformulação da âncora fiscal, tema debatido pelo governo eleito desde o período eleitoral. "O importante é ter credibilidade no arcabouço fiscal".

"Entendemos que isso deve ser construído de forma a dar credibilidade para investidores de que continuaremos no caminho de convergência da dívida, e isso é o mais importante", continuou.

O presidente do BC afirmou ainda que é preciso atenção com a questão social, à medida que muitas pessoas ainda sofrem os efeitos da pandemia e da alta de alimentos, mas que, por outro lado, também é preciso estar atento às reações do mercado.

A realidade, disse o presidente do BC, é que em cenários de condições econômicas adversas, com inflação elevada e incerteza para as empresas se planejarem, quem mais acaba sofrendo é a população de menor renda.

Ele também voltou a afirmar que alguma melhora da inflação brasileira pôde ser observada ao longo dos últimos meses, mas que ainda "não há razão para celebrar" e que parte da dinâmica recente dos preços veio na esteira de medidas pontuais adotadas pelo governo que seguem indefinidas à frente.

Ao olhar as expectativas de inflação para os próximos anos, o trabalho da política monetária começa a dar alguns resultados, mas "é preciso persistir na estratégia", afirmou Campos Neto, acrescentando que a recuperação recente do mercado de trabalho representou uma "grande surpresa" dentro dos prognósticos do BC.