Mercado abrirá em 1 h 54 min
  • BOVESPA

    115.882,30
    -581,70 (-0,50%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.262,01
    -791,59 (-1,76%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,64
    -0,21 (-0,40%)
     
  • OURO

    1.842,20
    -6,70 (-0,36%)
     
  • BTC-USD

    31.609,87
    +289,65 (+0,92%)
     
  • CMC Crypto 200

    637,28
    +9,62 (+1,53%)
     
  • S&P500

    3.750,77
    -98,85 (-2,57%)
     
  • DOW JONES

    30.303,17
    -633,83 (-2,05%)
     
  • FTSE

    6.480,09
    -87,28 (-1,33%)
     
  • HANG SENG

    28.550,77
    -746,76 (-2,55%)
     
  • NIKKEI

    28.197,42
    -437,79 (-1,53%)
     
  • NASDAQ

    12.964,75
    -140,75 (-1,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5480
    -0,0057 (-0,09%)
     

Se houver necessidade Bolsa Família pode ficar maior em 2021, diz Funchal

·1 minuto de leitura

BRASÍLIA (Reuters) - O secretário do Tesouro, Bruno Funchal, afirmou nesta quarta-feira que o Bolsa Família pode ficar maior no ano que vem, desde que haja respeito ao arcabouço fiscal.

Em coletiva de imprensa por ocasião do lançamento de relatório da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) sobre o Brasil, ele lembrou que, no projeto orçamentário para o próximo ano, o volume de recursos para o programa já havia sido aumentado em 5,4 bilhões de reais na comparação com o Orçamento de 2020, a um total de 34,9 bilhões de reais.

Isso ocorreu pela expectativa de que, na esteira da pandemia de Covid-19, mais famílias passem a se enquadrar nos critérios de admissibilidade do programa.

"É um programa que tem funcionado. Se houver necessidade --é óbvio, respeitando nosso limite de gastos e a realocação do orçamento--, pode ser sim revisto para cima", disse Funchal.

Também presente na coletiva de imprensa, o secretário-executivo do Ministério da Economia, Marcelo Guaranys, avaliou que a vacinação contra o coronavírus será "importantíssima" para a população se sentir mais segura no Brasil, o que fará com que a economia volte com mais força.

"Nós aqui na Economia temos feito de tudo para prover todos os recursos necessários para esse momento", disse.

(Por Marcela Ayres)