Mercado fechará em 1 h 14 min
  • BOVESPA

    110.288,15
    -1.635,78 (-1,46%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.786,32
    -448,05 (-0,87%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,52
    -1,46 (-1,83%)
     
  • OURO

    1.782,40
    -27,20 (-1,50%)
     
  • BTC-USD

    17.092,36
    +85,51 (+0,50%)
     
  • CMC Crypto 200

    403,78
    -7,44 (-1,81%)
     
  • S&P500

    4.010,89
    -60,81 (-1,49%)
     
  • DOW JONES

    34.037,47
    -392,41 (-1,14%)
     
  • FTSE

    7.567,54
    +11,31 (+0,15%)
     
  • HANG SENG

    19.518,29
    +842,94 (+4,51%)
     
  • NIKKEI

    27.820,40
    +42,50 (+0,15%)
     
  • NASDAQ

    11.844,25
    -166,00 (-1,38%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5260
    +0,0320 (+0,58%)
     

'Se fosse Bolsonaro, diria tudo que Lula fizer, faço mais, porque nós roubamos menos', afirma Guedes

***ARQUIVO*** BRASÍLIA, DF,  BRASIL,  13-04-2022, O presidente Jair Bolsonaro participa de cerimônia de Lançamento do Certificado de Crédito da Reciclagem - Recicla + e do Plano Nacional de Residuos Solidos. No palácio do planalto. Na imagem, o Ministro da Economia, Paulo Guedes, discursa durante o evento (Foto: Gabriela Bilo /Folhapress)
***ARQUIVO*** BRASÍLIA, DF, BRASIL, 13-04-2022, O presidente Jair Bolsonaro participa de cerimônia de Lançamento do Certificado de Crédito da Reciclagem - Recicla + e do Plano Nacional de Residuos Solidos. No palácio do planalto. Na imagem, o Ministro da Economia, Paulo Guedes, discursa durante o evento (Foto: Gabriela Bilo /Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que o presidente Jair Bolsonaro (PL) deveria ampliar as propostas feitas pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) em áreas como salário mínimo e isenção do Imposto de Renda.

"Eu, se fosse o Bolsonaro, diria 'tudo que o Lula fizer, eu faço mais, porque nós roubamos menos. Nós não roubamos'. Não é isso? Quem rouba não consegue pagar muito. Se você paga um salário mínimo de R$ 1.200, eu pago R$ 1.400. Se você paga R$ 1.400, eu pago R$ 1.500", disse Guedes, durante entrevista coletiva na ACSP (Associação Comercial de São Paulo) nesta quinta (27).

"Só tenho uma certeza: quem não desvia recursos tem condição de pagar melhor", acrescentou.

Antes da coletiva, Guedes deu uma palestra de cerca de uma hora, na qual disse várias vezes que o sistema de pagamentos Pix poderia ser usado para cobrar encargos de trabalhadores informais, e acusou o PT de planejar fazer isso caso vença as eleições.

"Os economistas do Lula dizem 'o pessoal precisa contribuir para a Previdência. Nós vamos cobrar deles uma contribuição para a Previdência'. Por que não vai perguntar para os economistas do Lula: é verdade que vocês vão tomar dinheiro da pessoa que ganha menos que o salário mínimo?", disse o ministro.

"Com o Pix é fácil. Alguém vai pagar, alguém vai receber. E aí você pode tributar no Pix os encargos trabalhistas", disse. "A cobrança poderia atingir 40 milhões de brasileiros. Eles fugiram para a informalidade, agora você vai perseguí-los através do Pix?", questionou.

O PT não fez propostas sobre taxar o Pix e já negou outras acusações de que planejaria mudanças no sistema que pudessem gerar custos extras. O partido defende que haja maior proteção social aos trabalhadores informais e microempreendedores, mas não falou sobre cobrar novas contribuições deles. Pessoas que trabalham como MEI (microempreendedores individuais) já contribuem com a Previdência.

No evento, Guedes criticou a imprensa por divulgar notícias que ele considera falsas e que prejudicam a campanha de reeleição de Bolsonaro.

Ele disse também que uma vitória "do outro candidato" trará um desastre na economia brasileira no próximo ano, porque as políticas adotadas hoje seriam descontinuadas. O ministro defendeu feitos de sua gestão, como a queda do desemprego neste ano. Para Guedes, só uma vitória de Bolsonaro garantirá um novo período de crescimento.

O ministro disse ainda que a proposta para o Orçamento de 2023 deve gerar um aumento real de 2% para o funcionalismo, porque a inflação deve ficar abaixo do que foi previsto na elaboração orçamentária.

"Vai ter aumento acima da inflação. Já está decidido. A inflação veio mais baixa, as previsões são de 5,5%, e como tínhamos reservado recursos para 7,5% [de aumento], então está garantido", disse o ministro.

O ministro voltou a prometer que o salário mínimo também terá aumento acima da inflação, mas disse que neste caso os recursos precisam vir de outras origens.

Guedes vem sendo criticado porque o Ministério da Economia esteve discutindo uma mudança que permitiria reajustar o salário mínimo sem considerar o índice de inflação passada. O caso, revelado pela Folha, tem gerado problemas para a campanha de Bolsonaro.

O ministro repetiu que o Brasil "está no caminho da prosperidade", que é respeitado no exterior e que está em situação melhor do que o resto do mundo. Disse ainda ter boas expectativas de que o Brasil conseguirá ver seu indicado, Ilan Goldjfajn, vencer a eleição para presidente do BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento).

Mais cedo, na manhã desta quinta, Guedes havia dito que uma eventual vitória de Bolsonaro nas eleições deste ano garantiria que o pleito de 2026 seja pacificado, já que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) provavelmente não concorreria e o atual presidente não poderia disputar um terceiro mandato.

"Se Bolsonaro ganhar esta eleição, o Lula se aposenta. O Bolsonaro não será reeleito, porque terá feito dois mandatos, então a próxima eleição já será uma eleição de centro, pacificada. Vai ser o Tarcísio, o Ratinho Junior, o Zema, e acabou a polarização no Brasil", afirmou.

Em outros eventos nesta semana, o ministro fez ataques a Henrique Meirelles, ex-ministro da Fazenda que declarou apoio a Lula, e criticou as emendas de relator.

"Nós furamos o teto porque é um teto muito mal construído", afirmou. "É tão mal construído que o economista, não é nem economista, o ministro que estão falando que vai ser do Lula, o Meirelles, nem economista é", acrescentou, durante evento na Fiemg (Federação das Indústrias de Minas Gerais), na quarta (26).

Também na quarta, ele havia criticado as emendas de relator por invadirem o espaço das políticas públicas no Orçamento, mas minimizou os riscos de corrupção envolvendo esses recursos, sob a justificativa de que eventuais desvios são menores do que em governos do PT.