Mercado abrirá em 1 h 41 min
  • BOVESPA

    120.061,99
    -871,79 (-0,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.867,62
    +338,65 (+0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,02
    -0,33 (-0,54%)
     
  • OURO

    1.787,00
    -6,10 (-0,34%)
     
  • BTC-USD

    54.298,07
    -1.057,98 (-1,91%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.263,02
    +0,06 (+0,00%)
     
  • S&P500

    4.173,42
    +38,48 (+0,93%)
     
  • DOW JONES

    34.137,31
    +316,01 (+0,93%)
     
  • FTSE

    6.898,96
    +3,67 (+0,05%)
     
  • HANG SENG

    28.755,34
    +133,42 (+0,47%)
     
  • NIKKEI

    29.188,17
    +679,62 (+2,38%)
     
  • NASDAQ

    13.900,00
    -19,25 (-0,14%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6487
    -0,0533 (-0,80%)
     

Sauditas querem que Opep+ mantenha cortes de oferta atuais até junho, diz fonte

Rania El Gamal e Ahmad Ghaddar e Olesya Astakhova
·2 minuto de leitura
Uma bomba de petróleo feita em impressora 3D, exibida durante reunião da Opep

Por Rania El Gamal e Ahmad Ghaddar e Olesya Astakhova

DUBAI/LONDRES/MOSCOU (Reuters) - A Arábia Saudita está preparada para apoiar uma prorrogação dos cortes de oferta de petróleo pela Opep e seus aliados até junho, assim como para prolongar seus próprios cortes voluntários de produção, visando impulsionar os preços da commodity em meio a uma nova onda de "lockdowns", disse uma pessoa com conhecimento do assunto na segunda-feira.

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e seus aliados, incluindo a Rússia, tinham expectativa anterior de reduzir os cortes depois de ganhos nos preços vistos mais cedo neste ano.

Mas uma nova onda de medidas restritivas para prevenir a disseminação do coronavírus derrubaram o petróleo das máximas atingidas neste ano, e quatro fontes da Opep+ disseram à Reuters que isso deve incentivar o grupo a prorrogar seus cortes até maio em uma reunião na quinta-feira.

Segundo a fonte que falou na segunda-feira, no entanto, a Arábia Saudita está disposta a prorrogar os cortes para contemplar também maio e junho.

"Eles não vêem a demanda forte o bastante ainda e querem evitar uma queda dos preços", disse a fonte.

Nesta terça-feira, uma fonte do setor de petróleo saudita disse que ainda não há uma decisão e que discussões sobre a política de produção estão para começar.

Pela política atual da Opep+, o grupo tem cortado pouco mais de 7 milhões de barris por dia em produção, enquanto os sauditas têm promovido uma redução adicional voluntária de oferta de 1 milhão de bpd.

No ano passado, o grupo havia chegado a acordo para cortes de 9,7 milhões de bpd, ou 10% da produção global, mas aliviou as restrições conforme a demanda se recuperava.

((Tradução Redação São Paulo, 55 11 5644 7519)) REUTERS LC