Mercado fechado
  • BOVESPA

    125.052,78
    -1.093,88 (-0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.268,45
    +27,94 (+0,06%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,17
    +0,26 (+0,36%)
     
  • OURO

    1.802,10
    -3,30 (-0,18%)
     
  • BTC-USD

    33.809,55
    +1.377,60 (+4,25%)
     
  • CMC Crypto 200

    786,33
    -7,40 (-0,93%)
     
  • S&P500

    4.411,79
    +44,31 (+1,01%)
     
  • DOW JONES

    35.061,55
    +238,20 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.027,58
    +59,28 (+0,85%)
     
  • HANG SENG

    27.321,98
    -401,86 (-1,45%)
     
  • NIKKEI

    27.548,00
    +159,80 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.091,25
    +162,75 (+1,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1216
    +0,0014 (+0,02%)
     

Satélites vão distribuir chaves de criptografia quântica a partir de 2023

·2 minuto de leitura

Com os desenvolvimentos cada vez mais rápidos da computação quântica, as soluções de segurança pensadas para dispositivos do tipo também precisam evoluir. Ciente disso, a empresa britânica Arqit está preparando para 2023 o lançamento de seus primeiros satélites capazes de fazer a distribuição quântica de chaves de criptografia.

A ação vai permitir o uso ampliado da tecnologia conhecida como Quantum Key Distribution (QKD), que promete oferecer comunicações cuja privacidade é inquebrável. Ela usa as propriedades únicas dos fótons para permitir a conversa entre dois pontos — qualquer tentativa de espionagem faz com que os fótons mudem, destruindo as chaves no processo.

O uso de técnicas de proteção quânticas é necessário devido à grande capacidade oferecida pelos computadores quânticos. Capazes de realizar cálculos de maneira muito mais veloz do que máquinas baseadas na computação convencional, eles têm o potencial de quebrar com muita velocidade quaisquer proteções criptografias usadas atualmente.

Complemento à fibra ótica

Segundo David Williams, presidente e fundador da Arquit, o uso de satélites deve complementar as técnicas de criptografia quânticas já usadas na fibra ótica e compensar algumas de suas limitações. Ao Space.com, ele explicou que, após aproximadamente 300 quilômetros, a fibra ótica só consegue transmitir informações quânticas a velocidades de 1 bit por segundo — algo que impede sua aplicação prática em um mundo que depende de conexões de megabits ou gigabits por segundo.

Imagem: Divulgação/Space.com/Qinetiq
Imagem: Divulgação/Space.com/Qinetiq

O desenvolvimento da tecnologia está sendo feito em conjunto com a companhia de segurança norte-americana Northop Grumman e com a gigante das telecomunicações britânicas BT. O lançamento deve ocorrer no Espaçoporto Cornwall e o satélite vai ser levado ao espaço pela LauncherOne, da empresa Virgin Orbit.

Williams explica que os satélites de sua empresa possuem um novo protocolo de tecnologia que garante a comunicação segura entre grandes distâncias. “Com nosso protocola ARC19 [de distribuição quântica de chaves], os satélites podem distribuir chaves em uma base global e o satélite nunca se lembra da chave”.

Segundo o executivo, o protocolo atual conhecido como BB84 não é seguro porque armazena as chaves de criptografia na memória dos satélites — que pode ser hackeada. Pesando aproximadamente 300 quilos, os equipamentos projetados pela Arquit são feitos a partir de peças convencionais, tendo como seu principal diferencial o software criado pela companhia.

O plano é que cada satélite vai revistar cada ponto da Terra cerca de três vezes diárias, enviando informações quanticamente criptografadas para centros de dados mantidos pela empresa. A partir de lá, eles vão ser distribuídos aos usuários usando um protocolo de segurança considerado seguro.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos