Mercado fechará em 2 h 33 min
  • BOVESPA

    117.016,27
    +786,16 (+0,68%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.687,10
    -359,48 (-0,78%)
     
  • PETROLEO CRU

    87,90
    +1,38 (+1,60%)
     
  • OURO

    1.719,30
    -11,20 (-0,65%)
     
  • BTC-USD

    20.268,68
    +349,68 (+1,76%)
     
  • CMC Crypto 200

    459,43
    +1,02 (+0,22%)
     
  • S&P500

    3.780,46
    -10,47 (-0,28%)
     
  • DOW JONES

    30.284,11
    -32,21 (-0,11%)
     
  • FTSE

    7.052,62
    -33,84 (-0,48%)
     
  • HANG SENG

    18.087,97
    +1.008,46 (+5,90%)
     
  • NIKKEI

    27.120,53
    +128,32 (+0,48%)
     
  • NASDAQ

    11.599,25
    -41,50 (-0,36%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1308
    -0,0371 (-0,72%)
     

Satélites Starlink brilham junto de aurora boreal no céu do Alasca

No início de setembro, os caçadores de auroras Ronn e Marketa Murray estava observando o fenômeno brilhar no céu do Alasca, até que foram surpreendidos por “convidados” no céu: diversos satélites Starlink, da SpaceX, apareceram em frente ao brilho esverdeado da aurora. Os satélites estavam visíveis no dia 1º e durante o início da madrugada do dia 2, no horário local.

Os satélites observados pelo casal foram lançados no fim de agosto, na Base da Força Espacial Vandenberg. “Vimos enquanto estávamos levando alguns convidados em nosso passeio de auroras”, disse Ronn Murray. Eles conseguiram ver os satélites duas vezes, e aproveitaram o segundo encontro para filmá-los.

Confira o vídeo:

A SpaceX vem lançando os satélites Starlink para oferecer internet para usuários em todo o mundo, mesmo em regiões remotas. Ronn Murray vive no interior do Alasca, e afirmou que espera poder usar a conexão de alta velocidade dos satélites. Embora ainda não tenham adquirido o serviço, ele e sua esposa puderam ver os satélites no céu.

No vídeo, os satélites ainda estavam a cerca de 320 de km de altitude, ou seja, ainda não haviam chegado a suas órbitas operacionais de 600 km de altitude. Quando estão próximos da Terra, os satélites Starlink podem brilhar mais que as estrelas mais luminosas no céu noturno.

Conforme ganham altitude, eles vão ficando invisíveis a olho nu — mas não para telescópios: nos últimos anos, a comunidade astronômica vem se posicionando fortemente contra os satélites devido ao brilho deles, que afeta a observação de objetos distantes. A SpaceX afirma que já tomou algumas medidas para escurecê-los, mas a preocupação continua.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: