Mercado abrirá em 4 h 17 min
  • BOVESPA

    129.264,96
    +859,61 (+0,67%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.315,69
    -3,88 (-0,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,26
    -0,40 (-0,54%)
     
  • OURO

    1.777,90
    -5,00 (-0,28%)
     
  • BTC-USD

    31.821,15
    -1.284,88 (-3,88%)
     
  • CMC Crypto 200

    759,77
    -90,58 (-10,65%)
     
  • S&P500

    4.224,79
    +58,34 (+1,40%)
     
  • DOW JONES

    33.876,97
    +586,89 (+1,76%)
     
  • FTSE

    7.076,68
    +14,39 (+0,20%)
     
  • HANG SENG

    28.309,76
    -179,24 (-0,63%)
     
  • NIKKEI

    28.884,13
    +873,20 (+3,12%)
     
  • NASDAQ

    14.088,25
    -41,75 (-0,30%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,9719
    -0,0034 (-0,06%)
     

Satélites podem ter subestimado o quanto a Terra aqueceu ao longo dos anos

·2 minuto de leitura
Satélites podem ter subestimado o quanto a Terra aqueceu ao longo dos anos
Satélites podem ter subestimado o quanto a Terra aqueceu ao longo dos anos

Uma série de satélites usados para rastreamento do meio ambiente global podem ter subestimado o cenário das mudanças climáticas ao longo dos anos.Um novo estudo aponta que os dados de satélite em que os cientistas se baseiam não respeitam as leis da física para criar modelos climáticos.

De acordo com a pesquisa, na natureza, existe uma ligação claramente definida entre temperatura e umidade do ar, mas essa relação não é refletida nos dados. Sendo assim, agora os cientistas precisam entender se os satélites superestimam essa umidade ou se eles subestimaram significativamente o quanto o planeta tem aquecido ao longo do tempo.

Ter a certeza sobre o que de fato aconteceu vai ser um desafio para os pesquisadores, uma vez que conjuntos de dados e modelos utilizados por cientistas em diferentes instituições têm uma aderência maior às diferentes leis da natureza. Agora, os pesquisadores precisarão trabalhar para descobrir quais são os dados mais precisos e, como resultado disso, quais medições de satélite foram imprecisas, o que exigirá um grande esforço.

Leia mais:

“Atualmente é difícil determinar qual interpretação é mais confiável”, disse o cientista climático e autor principal do estudo, Ben Santer, ao Live Science. “Mas nossa análise revela que vários conjuntos de dados observacionais parecem estar em desacordo com outras variáveis ​​complementares medidas de forma independente”.

Como resolver?

Cientistas precisam descobrir se superestimaram o papel da umidade do ar ou subestimaram o quanto o planeta aqueceu. Crédito: Cptec/Divulgação
Cientistas precisam descobrir se superestimaram o papel da umidade do ar ou subestimaram o quanto o planeta aqueceu. Crédito: Cptec/Divulgação

Agora, a reconciliação dos dados de satélite com as observações climáticas reais envolverá uma “volta no tempo” para rastreamento sobre como a temperatura e a umidade do ar divergiam. Um exemplo disso são os modelos informados por satélites que prevêem temperaturas que são diferentes do que realmente observamos, ou seja, é provável que os satélites mediram a umidade do ar corretamente, mas erraram na temperatura.

Resolver esse impasse levará algum tempo, já que os especialistas podem tirar conclusões sobre o que esses erros significam de fato para as pesquisas de mudanças climáticas como um todo. Por enquanto, não existe uma garantia de que os satélites definitivamente subestimaram o aumento da temperatura global, mas essa é uma possibilidade bastante alarmante e que deve ser levada em consideração.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos