Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.113,93
    +412,93 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,07
    -0,06 (-0,10%)
     
  • OURO

    1.777,30
    -2,90 (-0,16%)
     
  • BTC-USD

    56.116,47
    -5.151,00 (-8,41%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,97
    +7,26 (+0,52%)
     
  • S&P500

    4.185,47
    +15,05 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.200,67
    +164,67 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.019,53
    +36,03 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.969,71
    +176,61 (+0,61%)
     
  • NIKKEI

    29.683,37
    +40,67 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    14.024,00
    -5,50 (-0,04%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6902
    -0,0309 (-0,46%)
     

Santander passa a ver Selic em 5,5% e avalia que câmbio pode ajudar no cumprimento da meta de inflação

·2 minuto de leitura
Agência do banco Santander no Rio de Janeiro

SÃO PAULO (Reuters) - O Santander Brasil elevou a 5,50% a projeção para a Selic ao término de 2021, ante 4,00% do cálculo anterior, incorporando aumento adicional de 0,75 ponto percentual dos juros em maio e elevações de 0,50 ponto em cada uma das quatro reuniões de política monetária seguintes.

Na noite de quarta-feira, o Banco Central surpreendeu parte dos analistas ao elevar a Selic em 0,75 ponto percentual, para 2,75% ao ano, na primeira alta de juros em cerca de seis anos. Ainda assim, o Copom falou em "processo de normalização parcial" da política monetária, sugerindo que a taxa não subirá a ponto de zerar o estímulo monetário neste ano.

De acordo com Mauricio Oreng, economista do Santander que assina o relatório, uma interpretação possível da decisão do Copom de começar o aperto monetário em ritmo mais forte seria um desejo de fazer o canal da taxa de câmbio efetivo no sentido de atenuar o impacto do choque das commodities sobre os preços da economia.

"O BCB se mostrou disposto a fazer o mais recente movimento na política monetária para evitar o rompimento do teto da banda de tolerância da meta de inflação de 2021. E talvez o câmbio seja o único elemento que possa ajudar nesta conjuntura (dadas as defasagens usuais da política)", disse Oreng.

Ele ponderou, contudo, que o canal do câmbio é "traiçoeiro" e "nem sempre confiável", uma vez que é afetado por muitas outras variáveis --particularmente os riscos fiscais, segundo Oreng.

Além disso, continuou, em cenários de normalidade a resposta do câmbio a acréscimos nos juros é mais forte com a taxa abaixo do EBL (effective lower bound, patamar de juros abaixo do qual a política monetária perde eficácia) e tende a se tornar mais fraco acima dele.

"Então, na ausência de uma ruptura fiscal, o ritmo de alta do juro de 0,75 ponto percentual não deve permanecer por muito tempo, e vemos elevações de 0,50 ponto a partir de junho", disse Oreng, que vê um processo de normalização monetária em dois estágios, com uma pausa depois da reunião de outubro de 2021.

(Por José de Castro)