Mercado fechado

Do Santander a ING, bancos cortam mais de 75 mil empregos

Nicholas Comfort
·1 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Bancos europeus divulgaram perdas com empréstimos abaixo do esperado e fortaleceram índices de capital no terceiro trimestre. Ainda assim, os cortes de empregos continuam no continente.

O Banco Santander, da Espanha, planeja demitir 2.000 funcionários na unidade polonesa. O britânico Lloyds Banking anunciou o corte de 1.070 empregos, principalmente nas unidades de tecnologia e varejo. O banco holandês ING comunicou a demissão de 1.000 pessoas até o fim de 2021.

As medidas elevam o total de demissões anunciadas globalmente neste ano para 75.368, de acordo com números compilados pela Bloomberg. O volume está a caminho de superar os cerca de 80.000 cortes do ano passado.

Embora dezenas de bancos globais estejam fazendo demissões, cerca de 80% dos cortes se concentram em instituições europeias, cujos mercados domésticos enfrentam poucas perspectivas de crescimento bem como taxas de juros baixíssimas. Bancos europeus têm encolhido a força de trabalho desde 2008.

Muitos bancos europeus destacam a solidez financeira para pressionar reguladores a liberarem dividendos, apesar do cenário de deterioração causado pelo aumento de casos de Covid e restrições que ameaçam agravar a crise econômica. Dois dias antes de o Santander anunciar cortes de empregos, a presidente do conselho do banco, Ana Botín, pedia a retomada de dividendos.

“Dado o desempenho atual do grupo, a força de nosso balanço, nosso perfil de liquidez e mix de negócios, estou confiante de que seremos capazes de retomar os pagamentos de dividendos assim que as condições regulatórias permitirem”, disse Botín em comunicado.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.