Mercado fechado
  • BOVESPA

    105.069,69
    +603,45 (+0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.597,29
    -330,09 (-0,65%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,22
    -0,28 (-0,42%)
     
  • OURO

    1.782,10
    +21,40 (+1,22%)
     
  • BTC-USD

    47.977,50
    -7.062,63 (-12,83%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.367,14
    -74,62 (-5,18%)
     
  • S&P500

    4.538,43
    -38,67 (-0,84%)
     
  • DOW JONES

    34.580,08
    -59,71 (-0,17%)
     
  • FTSE

    7.122,32
    -6,89 (-0,10%)
     
  • HANG SENG

    23.766,69
    -22,24 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    28.029,57
    +276,20 (+1,00%)
     
  • NASDAQ

    15.687,50
    -301,00 (-1,88%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3953
    +0,0151 (+0,24%)
     

Santander deverá pagar R$ 50 mil a funcionária por cobrança de metas

·1 min de leitura
A logo of Banco Santander is seen in Rio de Janeiro, Brazil April 29, 2019. Picture taken April 29, 2019. REUTERS/Sergio Moraes
Sentença foi proferida pelo Tribunal Superior do Trabalho

REUTERS/Sergio Moraes

  • Santander terá que pagar indenização de R$ 50 mil à funcionária 

  • Banco fazia cobrança excessiva de metas e elencava os piores empregados em ranking

  • Práticas foram consideradas abusivas e vexatórias

O Santander foi condenado a pagar indenização de R$ 50 mil a uma funcionária de Pouso Alegre (MG) que o processou por cobrança excessiva de metas, descritas como abusivas e prejudiciais à saúde dos empregados.

De acordo com o processo, a empresa também divulgava, em seu portal de internet, um ranking com os melhores e piores colaboradores. A atitude criava “uma verdadeira zona de constrangimento entre os empregados” e os amedrontava com a possibilidade de demissão.

Leia também:

Inicialmente, a indenização deferida pelo juízo de primeiro grau foi no valor de R$ 8 mil, aumentado pelo Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região (MG). Para o órgão, o foco do problema não era a cobrança em si, mas a forma com que era feita.

“Se eram feitas sob pressão e ameaça, as cobranças configuram conduta incompatível com as regras de convivência regular no ambiente de trabalho”, registrou, ao elevar a indenização para R$ 50 mil.

A sentença foi proferida pelo Tribunal Superior do Trabalho. O relator do caso, ministro Dezena da Silva, ressaltou que o valor é embasado no poder econômico do banco, no tempo de trabalho da empregada (de 2002 a 2013) e no abalo moral sofrido.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos