Mercado abrirá em 1 h 4 min
  • BOVESPA

    110.249,73
    +1.405,98 (+1,29%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.828,13
    +270,48 (+0,53%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,57
    +1,08 (+1,53%)
     
  • OURO

    1.773,60
    -4,60 (-0,26%)
     
  • BTC-USD

    41.976,90
    -1.362,45 (-3,14%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.046,11
    -17,73 (-1,67%)
     
  • S&P500

    4.354,19
    -3,54 (-0,08%)
     
  • DOW JONES

    33.919,84
    -50,63 (-0,15%)
     
  • FTSE

    7.072,59
    +91,61 (+1,31%)
     
  • HANG SENG

    24.221,54
    +122,40 (+0,51%)
     
  • NIKKEI

    29.639,40
    -200,31 (-0,67%)
     
  • NASDAQ

    15.064,75
    +40,75 (+0,27%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1798
    +0,0007 (+0,01%)
     

Samsung vai investigar caso de Galaxy A21 que explodiu em avião

·2 minuto de leitura

Na última segunda-feira (23), um avião da Alaska Airlines precisou ser evacuado no aeroporto internacional de Seattle-Tacoma por conta da combustão espontânea de uma unidade do Galaxy A21. Agora, a Samsung anunciou que vai conduzir uma investigação para apurar os motivos dessa falha no aparelho.

Em comunicado oficial, a marca reconheceu a gravidade do acidente e enfatizou que a segurança é a maior prioridade da companhia. Com isso será feita uma análise profunda que confirmará ou não a necessidade de um recall.

Relembre o caso

No total, 135 pessoas precisaram ser evacuadas, e ninguém se feriu (Imagem: Gizmochina)
No total, 135 pessoas precisaram ser evacuadas, e ninguém se feriu (Imagem: Gizmochina)

O Galaxy A21 pegou fogo logo após o pouso do avião no solo do aeroporto, o que exigiu uma reação rápida dos comissários de bordo. O incêndio foi controlado por meio dos extintores presentes dentro da cabine e de uma bolsa projetada para conter focos de incêndio, mas a fumaça provocou a evacuação das 135 pessoas a bordo — 129 passageiros e seis tripulantes. Todos foram direcionados para uma pista lateral e ninguém se feriu.

Não há confirmação oficial da perícia em relação ao modelo do aparelho, pois os danos foram tão extensos que o dispositivo ficou irreconhecível. Apesar disso, o dono do Galaxy A21 se apresentou e especificou o modelo, que tem uma bateria de 4.000 mAh de íons de lítio. Em teoria, qualquer smartphone com esse tipo de bateria apresenta um risco de combustão e/ou explosão — mesmo que bem pequeno.

Casos semelhantes são registrados em dispositivos de diversas marcas, e não é a primeira vez que a Samsung precisa resolver problemas desse tipo: em 2016, o então recém-lançado Galaxy Note 7 apresentou uma série de falhas graves que levavam a explosões em várias unidades. A marca sul-coreana precisou fazer o recolhimento de todos os aparelhos, em um caso que gerou grande prejuízo para a companhia, tanto financeiro como de imagem.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos