Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.672,26
    +591,91 (+0,60%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.741,50
    +1.083,62 (+2,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    107,06
    +2,79 (+2,68%)
     
  • OURO

    1.828,10
    -1,70 (-0,09%)
     
  • BTC-USD

    21.462,65
    +553,07 (+2,65%)
     
  • CMC Crypto 200

    462,12
    +8,22 (+1,81%)
     
  • S&P500

    3.911,74
    +116,01 (+3,06%)
     
  • DOW JONES

    31.500,68
    +823,32 (+2,68%)
     
  • FTSE

    7.208,81
    +188,36 (+2,68%)
     
  • HANG SENG

    21.719,06
    +445,19 (+2,09%)
     
  • NIKKEI

    26.491,97
    +320,72 (+1,23%)
     
  • NASDAQ

    12.132,75
    +395,25 (+3,37%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5524
    +0,0407 (+0,74%)
     

Samsung tem cerca de 50 milhões de celulares “encalhados” em estoque

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

A ambiciosa meta de vendas de celulares da Samsung parece não estar evoluindo como planejado em 2022. Um recente relatório do The Elec revela que a marca pode ter até 50 milhões de unidades aguardando para serem vendidas em estoques de distribuidoras globais.

Fontes da indústria revelaram que a Samsung tinha uma meta inicial de produção de 334 milhões de dispositivos para 2022. Com a desaceleração do mercado no primeiro semestre deste ano — devido aos lockdowns em fábricas na China e a guerra na Ucrânia —, o número precisou ser reajustado para 270 milhões de unidades.

Contudo, as 50 milhões de unidades “encalhadas” ainda representam 18% da meta reajustada. O The Elec indica que os intermediários da série Galaxy A ocupam grande parte do estoque global, sendo exatamente os modelos em que a marca estava se apoiando para atingir a ambiciosa meta de vendas neste ano.

Galaxy A33, A53 e a A73 foram alguns dos últimos modelos intermediários lançados no Brasil (Imagem: Divulgação/Samsung)
Galaxy A33, A53 e a A73 foram alguns dos últimos modelos intermediários lançados no Brasil (Imagem: Divulgação/Samsung)

Redução da produção de dispositivos

Segundo o The Elec, a Samsung foi fortemente afetada pela baixa demanda por celulares no primeiro semestre de 2022. Em números normais, o estoque não vendido representa cerca de 10% das remessas, mas a sul-coreana está atualmente com quase 20% dos produtos parados nas distribuidoras globais.

O excesso de dispositivos em estoque fez a companhia cortar pela metade o número de aparelhos fabricados nos últimos meses. Enquanto a produção entre janeiro e fevereiro foi de cerca de 20 milhões de unidades por mês, o número caiu para 10 milhões em maio.

A Samsung também diminuiu o número de pedidos de componentes com os fornecedores. Conforme as informações das fontes do The Elec, houve uma queda de 30% e 70% das encomendas de peças entre abril e maio deste ano, a depender do componente.

Vale mencionar que, desde o começo do ano, houve um aumento considerável dos preços das matérias-primas dos produtos eletrônicos. Outro motivo que pode ter influenciado a gigante sul-coreana a reduzir a demanda de dispositivos e repensar a estratégia de vendas para os últimos seis meses de 2022.

Embora sejam aparelhos premium, a série Galaxy S22 parece não ter problemas de "excesso" de estoque (Imagem: Wallace Moté/Canaltech)
Embora sejam aparelhos premium, a série Galaxy S22 parece não ter problemas de "excesso" de estoque (Imagem: Wallace Moté/Canaltech)

Por que os modelos intermediários não estão vendendo?

É curioso ver que celulares premium, como a série Galaxy S22 e os dobráveis Galaxy Z, não são os modelos que estão “encalhados” nos estoques da Samsung. Supostamente, a baixa demanda por dispositivos com preços mais acessíveis é um reflexo da atual situação econômica global.

Para uma pessoa com dificuldades financeiras, um smartphone novo deixa de ser uma prioridade de compra. Em alguns casos, o consumidor opta por manter o dispositivo por mais um tempo ou busca modelos com valores ainda mais baixos.

Mesmo que seja tradicionalmente um sucesso de vendas, isso justifica o motivo pelo qual a linha Galaxy A representa a maior parte das unidades em estoque. Algo que deve alterar os planos da Samsung e, talvez, limitar o lançamento de novos intermediários no futuro.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos