Mercado abrirá em 5 h 13 min
  • BOVESPA

    119.371,48
    -690,52 (-0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.092,31
    +224,69 (+0,46%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,94
    +0,51 (+0,83%)
     
  • OURO

    1.782,30
    +0,30 (+0,02%)
     
  • BTC-USD

    48.268,27
    -6.196,57 (-11,38%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.100,66
    -142,40 (-11,46%)
     
  • S&P500

    4.134,98
    -38,44 (-0,92%)
     
  • DOW JONES

    33.815,90
    -321,41 (-0,94%)
     
  • FTSE

    6.913,16
    -25,08 (-0,36%)
     
  • HANG SENG

    28.983,72
    +228,38 (+0,79%)
     
  • NIKKEI

    29.020,63
    -167,54 (-0,57%)
     
  • NASDAQ

    13.757,50
    +7,25 (+0,05%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5540
    +0,0124 (+0,19%)
     

Samira Close: "Quando você é LGBT, precisa mostrar 10 vezes mais trabalho"

Amanda Caroline
·2 minuto de leitura

Samira Close é um fenômeno, um dos principais nomes do mundo gamer aqui no Brasil. A jogadora e influenciadora digital conta com 770 mil inscritos no YouTube e faz muito sucesso com suas lives de Free Fire. No Yahoo Entrevista, a drag queen cearense de 27 anos relembra a adolescência difícil e fala sobre ser uma pessoa LGBTQI+ em um meio ainda tão machista.

Ela conta que encontrou na lan house, onde ia para conseguir jogar online, um lugar para fugir do preconceito da rua. "Sempre fui uma criancinha 'viada', todo mundo sabia que eu era 'viado'. Naquela época, faziam piadas, mas quando você é mais novo, não assimila muito bem o que está acontecendo, acha que é tudo brincadeira. Então eu ia para as locadoras, para as 'lan houses'. Quando você cresce e começa a perceber o que tem por trás disso, você começa a procurar ambientes seguros", conta.

Leia também

A gamer, que hoje é amiga de Anitta e ensina a "poderosa" a jogar, conta que entrou começou a fazer drag há sete anos a pedido dos primeiros fãs. "As bichas começaram a dizer: 'Te dou R$ 100 se você colocar uma peruca! Dou R$ 50 se você passar batom'. E eu no computador de batom e peruca, minha mãe abria a porta e dizia: 'Ô, Jesus, o que aconteceu com o meu filho?'", brinca. "Fazia as palhaçadas para o pessoal rir, pra ganhar uns R$ 10, mas tá tudo certo. Deu certo! Estou aqui", comemora.

Apesar das centenas de milhares de seguidores, Samira ainda sente na pele a discriminação por parte do mercado gamer e de outros jogadores que se escondem por trás de um avatar na internet. Por isso, sua postura é de combate para sobreviver e ocupar espaços.

"Quando você é uma pessoa LGBT, você precisa mostrar 10 vezes mais trabalho. Durante muito tempo, eu senti essa repulsa da comunidade [gamer]. Só que eu sou capricorniana! Para competir comigo, vai ter que lutar muito. Eu falo: 'Vocês não gostam de mim? Vocês não gostam da bicha? Pois amanhã eu venho de calcinha pra arrasar com todas vocês."

Confira a entrevista completa no vídeo acima!