Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.937,87
    +1.057,05 (+0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.371,98
    +152,72 (+0,31%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,27
    0,00 (0,00%)
     
  • OURO

    1.866,70
    -0,90 (-0,05%)
     
  • BTC-USD

    42.567,95
    -3.018,41 (-6,62%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.195,01
    -2,91 (-0,24%)
     
  • S&P500

    4.163,29
    -10,56 (-0,25%)
     
  • DOW JONES

    34.327,79
    -54,34 (-0,16%)
     
  • FTSE

    7.032,85
    -10,76 (-0,15%)
     
  • HANG SENG

    28.194,09
    +166,52 (+0,59%)
     
  • NIKKEI

    27.824,83
    -259,67 (-0,92%)
     
  • NASDAQ

    13.293,50
    -10,00 (-0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4104
    +0,0005 (+0,01%)
     

Samarco pede recuperação judicial cinco anos após tragédia de Mariana (MG)

NICOLA PAMPLONA
·3 minuto de leitura

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - Dona da mina que se rompeu em Mariana (MG) em 2015, provocando tragédia que deixou 19 mortos e um rastro de destruição ambiental, a mineradora Samarco informou nesta sexta (9) que decidiu pedir recuperação judicial. A empresa, que é controlada pela Vale e pela BHP Billinton, alega que o recurso à Justiça é necessário para evitar que ações judiciais movidas por credores inviabilizem suas operações e os trabalhos de recuperação e ressarcimento dos danos provocados pela tragédia. A Samarco é alvo de ações no Brasil e nos Estados Unidos, que até o momento pedem US$ 325 milhões (cerca de R$ 1,8 bilhão pela cotação atual). Todas elas, diz a companhia, têm pedidos de bloqueio judicial, o que pode afetar suas receitas com a exportação de minério. "O pedido de RJ [recuperação judicial] formulado pela Samarco tem, primordialmente, o objetivo de preservar sua recente retomada operacional, os empregos e o cumprimento de suas obrigações socioambientais", afirmou, em nota, a Vale. Caso aprovado pela Justiça, o processo de recuperação suspende os pedidos de execução das dívidas. A empresa diz que pedirá o reconhecimento do processo nos Estados Unidos, em uma tentativa de paralisar também as ações de cobrança naquele país. Após a eventual aprovação, a Samarco teria até 60 dias para apresentar aos credores um plano de recuperação, documento que geralmente propõe a reestruturação das dívidas, com alongamento de prazos de pagamento e desconto nos valores. Segundo a Samarco, grande parte de sua dívida com partes não relacionadas, que soma US$ 4,7 bilhões (cerca de R$ 26,7 bilhões), foi contraída antes do rompimento da barragem, que ocorreu no dia 5 de novembro de 2015. A companhia diz que, após a tragédia, buscou renegociar os débitos de forma amigável, mas o ritmo das conversas teria desacelerado no início de 2019, depois que mudanças nas regras para a operação de barragens no país, promovidas após a tragédia de Brumadinnho (MG), em janeiro daquele ano. Com requisitos de segurança mais rígidos, a mineradora diz que precisou "reconfigurar o seu modelo de operação, seu plano de retomada e, por conseguinte, seu plano de negócios". Parte dos credores decidiu, assim, ir à Justiça tentar recuperar o dinheiro emprestado à companhia. "A Samarco buscou firmar um acordo extrajudicial com os seus credores para renegociar a dívida. No entanto, diante de demandas inviáveis impostas por eles, não foi possível chegar a um bom termo das negociações", disse a empresa. As operações da mina do Fundão foram retomadas em dezembro de 2020, com o retorno de um dos três concentradores para beneficiamento de minério em Mariana e de uma das usinas de pelotização em Anchieta (ES). Atualmente, a capacidade de produção está entre sete e oito milhões de toneladas de pelotas de minério de ferro por ano. A Samarco é alvo de críticas pela condução do processo de reparação dos danos provocados pela tragédia, que foi delegado a uma fundação especialmente criada para este fim, chamada de Renova. No início de março, o Ministério Público de Minas Gerais pediu à Justiça multa diária de R$ 1 milhão à fundação por atrasos na entrega de novas residências para os desabrigados, que Renova alega terem sido provocados por restrições impostas pela pandemia do novo coronavírus. A Procuradoria já chegou a pedir a extinção da Renova por "problemas de governança da entidade, traduzidos em desvio de finalidade e ineficiência", alegando que as contas da fundação já foram reprovadas quatro vezes. Em seu balanço de 2020, a Vale afirmou que os gastos em iniciativas de reparação e compensação das partes atingidas pelo rompimento da barragem em 2015 já somam R$ 11,3 bilhões. No comunicado distribuído nesta sexta, diz que "na qualidade de acionista da Samarco, reforça o seu compromisso com a reparação dos danos causados pelo rompimento da barragem do Fundão e a importância da sustentabilidade das operações da Samarco recém iniciadas".