Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.523,47
    -1.617,17 (-1,47%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.049,05
    +174,14 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,23
    -2,65 (-3,49%)
     
  • OURO

    1.877,70
    -53,10 (-2,75%)
     
  • BTC-USD

    23.328,95
    -31,31 (-0,13%)
     
  • CMC Crypto 200

    535,42
    -1,43 (-0,27%)
     
  • S&P500

    4.136,48
    -43,28 (-1,04%)
     
  • DOW JONES

    33.926,01
    -127,93 (-0,38%)
     
  • FTSE

    7.901,80
    +81,64 (+1,04%)
     
  • HANG SENG

    21.660,47
    -297,89 (-1,36%)
     
  • NIKKEI

    27.509,46
    +107,41 (+0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.616,50
    -230,25 (-1,79%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5385
    +0,0488 (+0,89%)
     

Sam Bankman culpa Binance por falência da FTX e diz que não roubou clientes

Sam Bankman Fried
Sam Bankman Fried

Usando a plataforma Substack pela primeira vez, Sam Bankman-Fried fez um longo resumo sobre a falência de sua corretora, a FTX. Como destaque, o ex-bilionário afirmou que além de não ter roubado seus clientes, também usou sua fortuna pessoal para cobrir os prejuízos dos mesmos.

Tentando explicar como a FTX chegou ao seu fim, SBF mostra a série de eventos que derrubaram a Alameda Research. No entanto, afirma que os problemas de insolvência foram causados por Changpeng Zhao, CEO da Binance.

“Em novembro de 2022, uma queda extrema, rápida e direcionada precipitada pelo CEO da Binance tornou a Alameda insolvente.”

Outro ponto curioso no texto está relacionado a FTX US. Segundo SBF, sua empresa baseada nos EUA está, e sempre esteve, solvente. Ou seja, isso pode estar sendo usado nos tribunais para aliviar seu julgamento.

Sam Bankman-Fried diz que é inocente

Na casa de seus pais após o pagamento de R$ 1,2 bilhão em fiança, Sam Bankman-Fried segue utilizando suas redes sociais para falar sobre a falência da FTX.

No entanto, seu novo texto era grande demais para ser diluído em tuítes. Por conta disso, SBF utilizou outra plataforma para novamente se declarar inocente e tentar ganhar alguma credibilidade com o público.

“Não roubei fundos e certamente não guardei bilhões. Quase todos os meus ativos foram e ainda são utilizáveis para ajudar clientes da FTX.”

Fundador da FTX põe culpa em seu maior rival

Sendo a Alameda Resarch, outra empresa fundada por SBF, a raiz dos problemas da FTX, o ex-bilionário usou boa parte do texto para tentar explicar o que aconteceu com sua empresa de trading.

Citando uma alavancagem de 1,06x da Alameda, SBF então lista as principais quedas de 2022 que a levaram a falência.

Como exemplo, cita três quedas seguidas do Bitcoin, de 30% cada, bem como o preço da Terra (LUNA) chegando a zero e o aumento da taxa de juros pelos EUA, o que enfraqueceu o mercado. Na sequência, aponta para a falência de gigantes como 3AC, Voyager, BlockFi, Celsius e Genesis.

“Então veio o fatídico tuíte de CZ [Changpeng Zhao], após uma campanha de relações-públicas extremamente eficaz de meses contra a FTX — e o crash.”

Tal tuíte, mostrado abaixo, foi publicado pelo fundador da Binance no dia 6 de novembro, dando início a uma corrida de saques da FTX, bem como uma forte queda de preços no token FTT.

“Como parte da saída da Binance da FTX no ano passado, a Binance recebeu cerca de US$ 2,1 bilhões equivalentes em dinheiro (BUSD e FTT). Devido às recentes revelações que vieram à tona, decidimos liquidar qualquer FTT remanescente em nossos livros.”

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Por fim, o ex-bilionário aponta que “nenhum montante foi roubado” e que a “Alameda perdeu dinheiro devido a um crash do mercado”, assim como aconteceu com tantas outras empresas no ano passado.

SBF tenta deixar a FTX US fora dos tribunais

Outro ponto novamente comentado por SBF está relacionado a FTX US, corretora que atuava apenas nos EUA. Segundo Bankman-Fried, esta não tem nenhuma ligação com a insolvência da FTX Internacional.

“A FTX US está totalmente solvente e sempre esteve”, escreve SBF. “Quando passei a FTX US para o Sr. Ray […] ela tinha cerca de US$ 350+ milhões em caixa líquido disponível além dos saldos dos clientes. Seus fundos e clientes eram segregados da FTX International.”

Conforme a FTX US era uma corretora regulamentada nos EUA, sua falência (e calote a clientes americanos) pode gerar um resultado bastante diferente nos tribunais.

Portanto, a tentativa de separar as duas é uma mostra que Sam Bankman-Fried está tentando aliviar a decisão de seu julgamento. Outras partes do texto, como sua declaração de inocência, parecem ter o mesmo propósito.

Fonte: Livecoins

Veja mais notícias sobre Bitcoin. Siga o Livecoins no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.