Mercado abrirá em 6 h 17 min
  • BOVESPA

    114.064,36
    +1.782,08 (+1,59%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.464,27
    +125,93 (+0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,48
    +0,18 (+0,25%)
     
  • OURO

    1.755,60
    +5,80 (+0,33%)
     
  • BTC-USD

    44.263,89
    +389,99 (+0,89%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.105,53
    -3,39 (-0,31%)
     
  • S&P500

    4.448,98
    +53,34 (+1,21%)
     
  • DOW JONES

    34.764,82
    +506,50 (+1,48%)
     
  • FTSE

    7.078,35
    -5,02 (-0,07%)
     
  • HANG SENG

    24.455,29
    -55,69 (-0,23%)
     
  • NIKKEI

    30.248,81
    +609,41 (+2,06%)
     
  • NASDAQ

    15.268,75
    -34,75 (-0,23%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2234
    -0,0016 (-0,03%)
     

Salvação do Boeing 737 quase passou pelas mãos da Embraer; entenda

·2 minuto de leitura

A fusão entre Boeing e Embraer não aconteceu, e o não fechamento desse negócio deixou projetos pelo caminho — alguns muito bons, por sinal. Segundo informações de bastidores, a fabricante brasileira seria uma das responsáveis pelo desenvolvimento da próxima linha do Boeing 737, um dos principais aviões da gigante norte-americana e que passa por momentos turbulentos nos últimos dois anos.

Segundo o portal Leeham News & Analysis, um engenheiro da Boeing, que não quis se identificar, revelou que a Embraer vai anunciar um avião de corredor único e com boa capacidade de passageiros, mas com motorização turboélice. A fuselagem dessa aeronave, porém, deveria ser a base para os novos Boeing 737 — que substituiriam os atuais 737 MAX 8 e MAX 9 caso a fusão das empresas fosse concluída.

O Boeing 737 vive momentos conturbados e que ocasionaram a perda da liderança no segmento de aviões comerciais com corredor único, os chamados single aisle, hoje dominado pela Airbus com o A320. Depois dos acidentes no final de 2018 e começo de 2019, a fabricante norte-americana passou por uma crise profunda que fez com que muitos pedidos do seu jato fossem cancelados.

(Imagem: Divulgação/ Boeing)
(Imagem: Divulgação/ Boeing)

Com a Embraer tomando conta do projeto para um substituto, a Boeing poderia ter uma sobrevida nessa linha de tanto sucesso e, com a também alta credibilidade da fabricante brasileira, retomar o bom momento do 737. O curioso, porém, é que a parceria Boeing-Embraer não teria optado pela base dos jatos brasileiros E195-E2. O motivo, talvez, fosse a modularidade e modernidade do novo projeto de turboélice, que poderia ser abastecido com hidrogênio.

Atualmente, o maior avião da Embraer voltado para o uso de passageiros é o E195, que pode levar até 150 pessoas na configuração de quatro assentos por fileira. O Boeing 737 ou o Airbus A320 podem levar até seis, dependendo da configuração.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos