Mercado fechado

Salesforce anuncia corte de 8 mil funcionários

Nesta quarta-feira (4), a Salesforce anunciou que planeja demitir 10% de sua força de trabalho ou cerca de 8 mil funcionários, além de reduzir o espaço dos escritórios devido às preocupações com a recessão.

Segundo o copresidente executivo da empresa, Marc Benioff, o ambiente está desafiador, visto que os clientes da Salesforce estão adotando uma abordagem "mais ponderada em suas decisões de compra".

A receita da gigante do software empresarial, assim como a de muitas empresas do setor tecnológico, cresceu durante a pandemia devido à alta demanda do home office por tecnologias para colaborar remotamente.

Em uma carta para os funcionários anunciando os cortes, o executivo sugeriu que a empresa havia contratado "de forma agressiva" durante esse período.

“Contratamos muitas pessoas levando a esta crise econômica que estamos enfrentando agora, e eu assumo a responsabilidade por isso”, disse o Benioff.

Em outubro de 2022, a empresa possuía quase 80 mil funcionários, contra cerca de 48 mil em 2019. Nos últimos meses, diversas outras empresas tecnológicas tiveram que realizar demissões em massa pelo mesmo motivo. Em um comunicado oficial sobre a demissão de 11 mil pessoas, Mark Zuckerberg assumiu: "Eu errei". Segundo o site Layoffs.fyi, mais de 150 mil funcionários de tecnologia foram demitidos somente em 2022.

Os cortes da Salesforce acontecem com a saída de alguns de seus executivos. Em novembro, o copresidente executivo da empresa, Bret Taylor, anunciou que renunciaria ao cargo e que deixaria a empresa no fim deste mês. Pouco tempo depois foi a vez de Stewart Butterfield, presidente-executivo da Slack, anunciar sua saída. O Slack foi adquirido em 2020 pela Salesforce por US$ 27,7 bilhões (R$ 151 bilhões na cotação atual).

Segundo Benioff, os funcionários norte-americanos desligados receberão um mínimo de cinco meses de pagamento, bem como seguro saúde e recursos de carreira. A Salesforce, maior empregadora privada em São Francisco, viu suas ações caírem quase 50% no último ano.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: