Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.036,79
    +2.372,44 (+2,20%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.626,80
    -475,75 (-1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,74
    -1,49 (-1,83%)
     
  • OURO

    1.668,30
    -0,30 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    19.260,27
    -69,97 (-0,36%)
     
  • CMC Crypto 200

    443,49
    +0,06 (+0,01%)
     
  • S&P500

    3.585,62
    -54,85 (-1,51%)
     
  • DOW JONES

    28.725,51
    -500,10 (-1,71%)
     
  • FTSE

    6.893,81
    +12,22 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    17.222,83
    +56,96 (+0,33%)
     
  • NIKKEI

    25.937,21
    -484,84 (-1,83%)
     
  • NASDAQ

    11.058,20
    -170,00 (-1,51%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3079
    +0,0099 (+0,19%)
     

Salários e expectativas: como anda e o que esperar do mercado de programação

A posição de desenvolvedor de software tem se tornado cada vez mais estratégica dentro das empresas, já que o cenário atual do mercado coloca a qualidade e segurança dos softwares como um indicador de sucesso comercial. Nessa conjuntura, é importante que os profissionais da área saibam o presente e o futuro da profissão para estarem sempre preparados.

Segundo dados do Tech Jobs Report, divulgado pela CompTIA em fevereiro de 2022, os desenvolvedores de software são os maiores impulsionadores do mercado de trabalho dos Estados Unidos no setor de tecnologia. Hoje, o salário médio de um desenvolvedor pleno está na casa dos US$ 10 mil mensais (cerca de R$ 52 mil), podendo chegar a US$ 11,5 mil (cerca de R$ 60 mil) em cargos de chefia.

O que fazer para ganhar esses salários?

Porém, para alcançar esses ganhos, um profissional precisa ter pleno conhecimento em múltiplas linguagens de programação, preferencialmente, os chamados sistemas de nicho. Isso acontece porque o número de pessoas que codificam nessas linguagens é bastante escasso, o que faz com que esses profissionais sejam bastante disputados pelas empresas.

O ranking do IEEE de 2022 apontou que a linguagem mais popular do mundo é Python e que a que mais emprega é SQL. Porém, de acordo com a pesquisa de salários em dados e inteligência artificial da O’Reilly, publicada em 2021, apontou que essas duas linguagens estão bem longe do topo das listas quando o tema é salário.

Os programadores mais bem pagos dos Estados Unidos e, consequentemente, do mundo, são os especialistas em Rust, Go, Scala, Objective-C e Erlang. Especialistas nesses idiomas podem ganhar, em média, cerca de R$ 80 mil por mês se conseguirem uma vaga em uma grande empresa nos Estados Unidos.

Há outros caminhos

Embora os maiores salários sejam pagos para especialistas em linguagens de nicho, a maior parte da força de trabalho da tecnologia e do desenvolvimento de software são full-stack, front-end e back-end que programam nos sistemas mais populares. No entanto, os profissionais mais requisitados são os engenheiros full-stack e de back-end.

"Habilidades de programação como Ruby, JavaScript e Python podem não ter os mesmos números salariais de certas plataformas e ferramentas relacionadas à nuvem e a dados, mas são igualmente vitais para as operações de empresas grandes e pequenas”, aponta o Relatório de Salários da Dice Tech de 2021.

Portanto, aprender essas linguagens pode se traduzir em uma situação de empregabilidade bem interessante e variada. Porém, é muito importante, principalmente para os profissionais autodidatas ou que são tecnólogos precisam ter um cuidado maior em seu desenvolvimento profissional, primando por um conhecimento em diferentes sistemas que seja mais amplo do que profundo.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: