Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.095,53
    +537,86 (+0,50%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.056,27
    +137,99 (+0,27%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,65
    +0,60 (+0,83%)
     
  • OURO

    1.784,10
    -0,60 (-0,03%)
     
  • BTC-USD

    50.729,38
    +240,10 (+0,48%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.320,56
    +15,44 (+1,18%)
     
  • S&P500

    4.701,21
    +14,46 (+0,31%)
     
  • DOW JONES

    35.754,75
    +35,32 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.337,05
    -2,85 (-0,04%)
     
  • HANG SENG

    23.996,87
    +13,21 (+0,06%)
     
  • NIKKEI

    28.860,62
    +405,02 (+1,42%)
     
  • NASDAQ

    16.382,50
    +64,50 (+0,40%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2748
    -0,0649 (-1,02%)
     

Saiu o rascunho do acordo da COP26. Conheça as propostas para salvar o planeta

·2 min de leitura

A Conferência das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas (COP26) chega ao seu fim nesta sexta-feira (12) e o primeiro esboço de plano de ação foi publicado na manhã desta quarta-feira (10). O documento, que ainda passará por alterações antes de sua versão final, convoca os países a revisitarem e fortalecerem seus planos climáticos de 2030 até o final de 2022, pois a maioria das metas apresentadas durante a COP26 são insuficientes para limitar o aquecimento global em até 1,5 °C.

O primeiro rascunho do acordo convoca os países a melhorarem seus planos de redução de emissão de gases de efeito estufa, especialmente o carbono. Isso porque a maioria dos planos apresentados durante a COP26 não conseguirão reduzir as emissões pela metade até 2030. Portanto, até o final do próximo ano, eles precisarão apresentar uma nova estratégia que seja condizente com o Acordo de Paris.

(Imagem: Reprodução/Unsplash/Markus Spiske)
(Imagem: Reprodução/Unsplash/Markus Spiske)

O esboço também apela para que os países mais ricos dobrem suas contribuições com os países mais pobres e em desenvolvimento, para estes conseguirem estabelecer a alcançar as metas climáticas. No entanto, ainda não foi apresentado um cronograma para este incentivo. Além disso, o documento pede as nações que acelerem a eliminação do carvão e do uso de combustíveis fósseis.

Se a humanidade quiser manter o aquecimento global limitado em até 1,5 °C — evitando maiores catástrofes climáticas —, é necessário reduzir as emissões globais de gases poluentes em 45% até 2030, zerando-as até 2050. Outra proposta do pré-acordo é que os países se reúnam anualmente para acompanhar se as metas estão no ritmo de serem cumpridas, a começar na conferência do próximo ano, que deve acontecer no Egito.

(Imagem: Reprodução/Unsplash/Patrick Hendry)
(Imagem: Reprodução/Unsplash/Patrick Hendry)

Ativistas cobram por compromissos mais urgentes dos países ricos, pois, segundo eles, sem um cronograma ou valores definidos desde já, os países em desenvolvimento continuarão à mercê deste apoio. "Este projeto de acordo não é um plano para resolver a crise climática, é um acordo pelo qual cruzaremos os dedos e esperaremos o melhor", disse Jennifer Morgan, ativista do Greenpeace International.

Vale destacar que todas estas propostas ainda podem ser removidas do rascunho e, portanto, ficarem de fora da edição final do acordo. No entanto, especialistas ressaltam que o apelo às metas aprimoradas e a progressiva eliminação dos combustíveis fósseis devem permanecer. A COP26 acontece até a próxima sexta (12), em Glasglow, quando a conferência deve apresentar as novas metas a serem cumpridas.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos