Mercado fechará em 2 h 28 min
  • BOVESPA

    116.021,50
    -112,96 (-0,10%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.802,17
    +372,42 (+0,82%)
     
  • PETROLEO CRU

    86,48
    +2,85 (+3,41%)
     
  • OURO

    1.731,40
    +29,40 (+1,73%)
     
  • BTC-USD

    19.949,97
    +440,96 (+2,26%)
     
  • CMC Crypto 200

    453,39
    +7,95 (+1,79%)
     
  • S&P500

    3.768,35
    +89,92 (+2,44%)
     
  • DOW JONES

    30.153,20
    +662,31 (+2,25%)
     
  • FTSE

    7.086,46
    +177,70 (+2,57%)
     
  • HANG SENG

    17.079,51
    -143,32 (-0,83%)
     
  • NIKKEI

    26.992,21
    +776,42 (+2,96%)
     
  • NASDAQ

    11.544,00
    +258,25 (+2,29%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1824
    +0,1085 (+2,14%)
     

Saiba quais suplementos funcionam para o cérebro e quais não

A ciência já apontou os possíveis resultados que determinados suplementos desencadeiam no cérebro. É o caso da vitamina B, como B6, B12 e B9 (ácido fólico), que desempenha um papel na saúde do cérebro, já que é capaz de prevenir defeitos congênitos, no caso de uma gravidez, ou prevenir Alzheimer.

Recentemente, um estudo publicado na revista Alzheimer’s and Dementia apontou que tomar suplementos multivitamínicos diariamente pode retardar o declínio cognitivo em cerca de 60%. De qualquer forma, os próprios pesquisadores alertam que estudos maiores são necessários para confirmar o efeito antes de recomendar multivitaminas diárias para ajudar a proteger o declínio cognitivo.

Vitamina B6

Antes, outro estudo indicou que a vitamina B6 reduz ansiedade e depressão. A teoria é que a substância ajuda o corpo a produzir um mensageiro químico específico que inibe os impulsos no cérebro, e esse efeito calmante pode ser benéfico para atenuar os efeitos desses transtornos.

Alguns suplementos funcionam para o cérebro e alguns não funcionam (Imagem: cookelma/envato)
Alguns suplementos funcionam para o cérebro e alguns não funcionam (Imagem: cookelma/envato)

Ômega 3

Enquanto isso, o Ômega 3 (presente em alguns peixes, por exemplo) já foi associado a um menor risco de demência, mas quanto aos suplementos, os estudos ainda não provaram benefícios. Uma possível exceção é que em pessoas com a mutação do gene APOE4, que está ligada à doença de Alzheimer, esses suplementos podem trazer impactos positivos.

Cafeína

No ano passado, uma pesquisa publicada na revista Cerebral Cortex revelou que a cafeína pode alterar o volume de matéria cinzenta no cérebro. Além disso, os pesquisadores dizem que a cafeína não interfere na qualidade do sono, trazendo dúvidas quanto à crença de que ingerir café não nos deixa dormir bem. Posteriormente, outro estudo apontou que a cafeína pode causar demência e derrame.

Vitamina E

No que diz respeito a Vitamina E, estudos já apontaram uma capacidade de combater que podem impedir que as células cerebrais sejam danificadas. Um estudo já citou que esse tipo de suplemento funciona para o cérebro, pois pode retardar o agravamento do Alzheimer. Por enquanto, os especialistas dizem que a maioria das pessoas saudáveis ​​​​deve ficar com fontes alimentares como nozes, sementes e óleos vegetais.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: