Mercado fechado
  • BOVESPA

    102.224,26
    -3.586,99 (-3,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.492,52
    -1.132,48 (-2,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,15
    -10,24 (-13,06%)
     
  • OURO

    1.788,10
    +1,20 (+0,07%)
     
  • BTC-USD

    55.096,36
    +641,48 (+1,18%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.365,60
    -89,82 (-6,17%)
     
  • S&P500

    4.594,62
    -106,84 (-2,27%)
     
  • DOW JONES

    34.899,34
    -905,04 (-2,53%)
     
  • FTSE

    7.044,03
    -266,34 (-3,64%)
     
  • HANG SENG

    24.080,52
    -659,64 (-2,67%)
     
  • NIKKEI

    28.751,62
    -747,66 (-2,53%)
     
  • NASDAQ

    16.051,00
    -315,00 (-1,92%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3485
    +0,1103 (+1,77%)
     

Saiba quais são os próximos passos da CPI da Covid após a apresentação do relatório

·1 min de leitura
Foto: EVARISTO SA/AFP via Getty Images
Foto: EVARISTO SA/AFP via Getty Images
  • Relatório deve ser votado na próxima terça-feira (26)

  • Após votação, documento será encaminhado às instituição responsáveis pela apuração dos indícios

  • Não há prazo para que pedidos do indiciamento sejam apreciados

Com a leitura do relatório de Renan Calheiros (MDB-AL) prevista para esta quarta-feira, a CPI da Covid chega na reta final. Após o senador apresentar formalmente aos colegas o documento, a previsão é de votação na terça-feira que vem, 26 de outubro. 

Na votação, estão previstas eventuais divergências ("destaques" no texto), mas o G7 deve votar unido para aprovar o relatório apresentado por Renan. Há expectativa de que o governista Marcos Rogério (DEM-RO) apresente um voto em separado no dia da apreciação do parecer para se contrapor ao relatório de Renan. Não há chances de esse texto ser aprovado, porém, porque os aliados do Palácio do Planalto são minoria. 

Depois da votação, os trabalhos da CPI são encerrados e o documento é encaminhado aos órgãos de investigação. 

Documento contém quase 70 pedidos de indiciamento

Foto: AP Photo/Eraldo Peres
Foto: AP Photo/Eraldo Peres

O relatório contém 68 pedidos de indiciamento. Dependendo da pessoa, o pedido é dirigido a diferentes órgãos. Se há foro privilegiado, a Procuradoria-Geral da República (PGR) é encarregada de analisar as sugestões para decidir se dá prosseguimento às apurações. 

Os Ministérios Públicos estaduais e o Ministério Público Federal também irão receber pedidos da CPI, assim como a Câmara dos Deputados, já que o relatório cita crime de responsabilidade do presidente Jair Bolsonaro. Não há prazo para que essas solicitações sejam apreciadas.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos