Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.402,27
    +1.930,27 (+1,81%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.354,86
    +631,46 (+1,35%)
     
  • PETROLEO CRU

    90,50
    -0,26 (-0,29%)
     
  • OURO

    1.786,40
    -0,40 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    23.835,04
    +567,30 (+2,44%)
     
  • CMC Crypto 200

    556,80
    +13,92 (+2,56%)
     
  • S&P500

    4.140,06
    -5,13 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    32.832,54
    +29,04 (+0,09%)
     
  • FTSE

    7.482,37
    +42,63 (+0,57%)
     
  • HANG SENG

    20.045,77
    -156,13 (-0,77%)
     
  • NIKKEI

    28.134,61
    -114,63 (-0,41%)
     
  • NASDAQ

    13.215,25
    +32,00 (+0,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2124
    +0,0030 (+0,06%)
     

Saiba quais as linhas de crédito disponíveis para quem quer abrir o próprio negócio

Em meio aos prejuízos causados pela pandemia da Covid-19 e ao aumento do desemprego, o chamado empreendedorismo por necessidade cresceu substancialmente. Dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apontam que enquanto 825,3 mil postos de trabalhos formais foram perdidos em 2020, frente a 2019, o número de empresas no país cresceu 3,7%. Mas na hora de começar e manter de pé esses micro, pequenos e médios empreendimentos, a obtenção de crédito é um dos principais entraves.

Uma pesquisa do Sebrae mostrou que 47% dos negócios fluminenses do tipo tiveram pedido de empréstimo recusado pelas instituições financeiras, enquanto outros 47% conseguiram a liberação do crédito, percentual considerado alto, segundo a análise.

O levantamento foi feito entre os dias 25 de abril e 2 de maio, e mostrou também que neste momento, 34% das empresas fluminenses estão inadimplentes, com 40% dos negócios tendo de 30% a metade do orlamento comprometido com dívidas. refletem de 30% a 50% das despesas.

– Desde o início da crise, fizemos a evolução histórica e o percentual de quem conseguiu empréstimo nunca foi tão alto. Novas ofertas de crédito com juros menores, um prazo maior de pagamento e carência, foram fundamentais para a recuperação das micro e pequenas empresas – destaca Marcos Mendes, coordenador de Capitalização e Serviços Financeiros do Sebrae Rio.

Mas seja para dar o gás inicial , investir para potencializar a empresa ou cobrir alguma dívida que ficou para trás, a concessão de crédito exige muita reflexão, análise e, sobretudo, planejamento. É o que lembra Eliane Tanabe, especialista da Associação Brasileira de Planejamento Financeiro (Planejar).

– A empresa sempre nasce com necessidade de evoluir. É nessa hora que o empresário começa a pensar em obter crédito para injetar no negócio. É preciso ser bastante realista e avaliar como a empresa vai amortizar a dívida, levando em conta o plano de negócios, com dados dos gastos e faturamento. Também é importante avaliar se existe uma expectativa de alavancar o negócio e quitar esse empréstimo antes, driblando os juros, e economizando – afirma.

Viu?

Tanabe alerta também que se o crédito estiver sendo considerado para cobrir outras dívidas, a atenção precisa ser redobrad:

– Temos casos em que o empresário se perde e pega um novo crédito para um primeiro, e assim por diante. Vira uma bola de neve. É preciso entender se a taxa de juros vai ser tranquila dentro do orçamento ou se é um risco de comprometer os gastos.

Análise

Antes de tentar acesso ao crédito, é importante fazer um diagnóstico da empresa, e entender como anda a saúde financeira do negócio, avaliando o controle de faturamento e fluxo de caixa, por exemplo. Além disso, faça quatro questionamentos: Por que o valor é necessário? De quanto é preciso? Para quando? E como será pago?

Pesquisa

Com essas perguntas respondidas, pesquise as linhas disponíveis no mercado e as condições oferecidas por diferentes bancos, fintechs ou agências de fomento. Compare as taxas de juros, limites, prazos de pagamento e carências e analise qual oferta se adequa mais ao orçamento e realidade da empresa. E lembre-se: as linhas de crédito envolvem juros. Por isso, solicite apenas o necessário para não correr o risco de se endividar.

Documentação

Na hora de solicitar o crédito, é preciso ter em mãos os documentos da empresa e dos sócios, além das declarações de imposto de renda. Em alguns casos, também é necessário apresentar as garantias solicitadas pela instituição financeira e projeções futuras do negócio.

Pendências

Também é primordial se antecipar a determinados impedimentos, e checar se não existem restrições tanto por parte da empresa quanto de seus sócios, como dívidas ou protestos. Se alguma pendência for detectada, busque renegociação.

Mais planejamento

A boa gestão financeira não termina com a aprovação do empréstimo. No pós-crédito, com o valor já em mãos, é preciso ter atenção ao orçamento da empresa, para que o montante não se transforme em dívida. Em caso de dificuldade, uma saída é buscar orientação especializada.

Fonte: Maria Claudia Viana, analista do Sebrae Rio.

Sebrae

O Sebrae reúne e atualiza uma cartilha de ofertas de crédito disponíveis, separada por porte, tipo e segmento do empreendimento, fazendo a articulação e aproximação dos MEIs, micro, pequenas e médias empresas (MPEs) com órgãos de fomento, instituições financeiras e fintechs. Para acessar, basta entrar em contato com o Sebrae através dos canais de atendimento.

AgeRio

Na Agência de Fomento do Estado do Rio (AgeRio), MEIs e empreendedores informais podem ter acesso de a crédito de R$ 500 a R$ 21 mil, com taxa de juros de 0,25% ao mês, prazo de até 24 meses e carência até 12 meses.Já para as MPEs, não há limite definido, e o valor depende da análise de crédito e das garantias. O empréstimo tem até 60 meses de prazo, taxa mensal a partir de 1,49% e carência de até um ano. Os detalhes são disponibilizados no site. Segundo o órgão, em 2022 foram R$ 300 milhões concedidos a mais 7,7 mil negócios, quase metade microempreendedores, autônomos e empreendedores informais.

Invest.Rio

A Invest.Rio, agência de promoção e atração de investimentos da capital fluminense, também faz a ponte entre MPEs e instituições financeiras através do programa Crédito Carioca. Interessados precisam se cadastrar na plataforma, e são encaminhados aos parceiros financeiros, escolhidos de acordo com a necessidade do negócio. Segundo o órgão, desde março de 2021, 111 empresas já foram beneficiadas com R$ 5 milhões emprestados, 60% para negócios das zonas Norte e Oeste.

Caixa

A Caixa oferece aos MEIs o Crédito SIM Digital. Nessa modalidade, o microempreendedor com mais de 12 meses de atividade, pode contratar até R$ 3 mil, no prazo de 18 a 24 meses e taxas a partir de 1,99% ao ano As informações sobre a nova linha estão disponíveis no site do banco.

Para as MPEs, o banco dispõe de linhas com taxa de juros pré-fixada, como o GiroCaixa FAMPE, em parceria com o Sebrae. As taxas variam entre 1,89% e 1,99% ao mês, dependendo do porte da empresa e carência de até 12 meses para começar a pagar. As informações também estão disponíveis online.

Há também o GiroCaixa Fácil, capital de giro em forma de limite de crédito que pode ser usado de forma total ou parcial de acordo com a necessidade da empresa, com até 60 meses para pagamento e seis meses de carência. Os detalhes também estão no site do banco estatal.

Banco do Brasil

Entre as soluções de crédito para MEIs e MPEs, o Banco do Brasil oferece linhas como a de Capital de Giro e financiamento de investimentos, com pagamento em até 48 e 60 meses, respectivamente, e carência de 6 meses.

As taxas de juros variam de acordo com fatores como os riscos e as garantias. Os limites dependem da análise cadastral de cada cliente, e os pedidos de crédito podem ser feitos nas agências ou digitalmente, no aplicativo do banco ou no site.

Itaú

O Itaú oferece microcrédito de R$ 400 a R$ 21 mil, de acordo com a análise de crédito e necessidade do cliente. É necessário ser correntista do banco para contratar o produto. A taxa de juros é de 3,79% ao mês, com prazo de pagamento de 4 a 15 meses. Para solicitar o crédito, é necessário agendar uma visita com um especialista pelo telefone 4004-1937. Mais informações estão disponíveis online.

O banco também oferece o Capital de Giro, com valores que podem ser quitados em até 60 meses com parcelas fixas. São aceitos como garantia recebíveis de cartões, imóveis, duplicatas e aplicações financeiras, entre outras opções. A contratação pode ser realizada na agência, nos caixas eletrônicos ou via internet ou celular.

Santander

De acordo com o banco, o crédito mais buscado por PMEs é o Capital de Giro, que pode ser contratado nas agências e canais digitais do Santander. O empreendedor tem até 59 dias para começar a pagar e prazo de até 36 meses. As taxas podem ser simuladas diretamente nesses canais, e variam de acordo com as garantias oferecidas pela empresa, como o fluxo de vendas de cartões na maquininha, a carteira de cobrança, uma aplicação financeira ou mesmo garantias como veículos e imóveis. Há também linhas mais curtas, como o Capital de Giro Flex, com pagamento de até 6 meses para iniciar o pagamento (com os juros do período).

Bradesco

Para solicitar o crédito, o cliente deve abrir uma conta no banco. De acordo com o Bradesco, as linhas mais procuradas são o Capital de Giro para MEIs, micros, pequenas e médias empresas, com prazo de 36 meses e carência de 90 dias. Taxas e condições dependem do perfil do negócio, e são analisadas caso a caso.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos