Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.880,82
    +1.174,82 (+0,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.219,26
    +389,96 (+0,80%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,38
    +0,01 (+0,02%)
     
  • OURO

    1.844,50
    +6,40 (+0,35%)
     
  • BTC-USD

    45.655,89
    -1.697,18 (-3,58%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.262,19
    -96,37 (-7,09%)
     
  • S&P500

    4.173,85
    +61,35 (+1,49%)
     
  • DOW JONES

    34.382,13
    +360,73 (+1,06%)
     
  • FTSE

    7.043,61
    +80,28 (+1,15%)
     
  • HANG SENG

    28.027,57
    +308,87 (+1,11%)
     
  • NIKKEI

    27.946,28
    -138,19 (-0,49%)
     
  • NASDAQ

    13.358,00
    -29,00 (-0,22%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4042
    +0,0002 (+0,00%)
     

Saiba o que foi destaque no Rio na manhã desta quinta-feira

O Globo
·1 minuto de leitura

RIO — A Polícia Civil do Rio, com apoio da Polícia Civil de Pernambuco e da Polícia Rodoviária Federal (PRF), deflagrou uma operação em Recife contra uma empresa que fazia oferta fraudulenta de vacina contra a Covid-19 a dezenas de municípios do país, incluindo Duque de Caxias e Barra do Piraí, no estado do Rio.

Veja abaixo os demais destaques do noticiário desta quinta-feira:

VACINAÇÃO

O prefeito do Rio, Eduardo Paes, anunciou, numa postagem no Twitter, que os rodoviários da cidade ficarão entre os grupos prioritários para a vacinação contra a Covid-19. De acordo com ele, o secretário municipal de Saúde, Daniel Soranz, fará o anúncio oficial da notícia nesta sexta-feira.

CASO HENRY

Mensagens recuperadas no celular de Monique Medeiros da Costa e Silva, que constam do inquérito que apura a morte doseu filho, Henry Borel Medeiros, de 4 anos, e foram obtidas com exclusividade pelo GLOBO, mostram declarações de amor da professora à empregada doméstica Leila Rosângela de Souza Mattos e pedidos para que ela "não abandonasse" a família. A conversa entre as duas ocorreu antes do primeiro depoimento prestado pela funcionária ao delegado Henrique Damasceno, titular da 16ª DP (Barra da Tijuca), no qual ela não mencionou as agressões por parte do médico e vereador Jairo Souza Santos Júnior, o Dr. Jairinho, ao menino.