Mercado fechará em 23 mins
  • BOVESPA

    121.834,80
    +1.128,89 (+0,94%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.222,11
    +392,80 (+0,80%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,40
    +1,58 (+2,48%)
     
  • OURO

    1.843,10
    +19,10 (+1,05%)
     
  • BTC-USD

    50.324,62
    +1.122,30 (+2,28%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.408,94
    +50,38 (+3,71%)
     
  • S&P500

    4.174,50
    +62,00 (+1,51%)
     
  • DOW JONES

    34.392,58
    +371,13 (+1,09%)
     
  • FTSE

    7.043,61
    +80,28 (+1,15%)
     
  • HANG SENG

    28.027,57
    +308,90 (+1,11%)
     
  • NIKKEI

    28.084,47
    +636,46 (+2,32%)
     
  • NASDAQ

    13.400,00
    +299,75 (+2,29%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3968
    -0,0157 (-0,24%)
     

Saiba o que é FLoC: a alternativa do Google para continuar com publicidade dirigida após fim dos cookies

Flavia Correia
·2 minuto de leitura
Saiba o que é FLoC: a alternativa do Google para continuar com publicidade dirigida após fim dos cookies
Saiba o que é FLoC: a alternativa do Google para continuar com publicidade dirigida após fim dos cookies

A partir de 2022, o Google vai deixar de usar cookies de terceiros no Chrome. Esses identificadores online, que há décadas têm sido a base da publicidade na web, servem para rastrear o que cada pessoa acessa no navegador, possibilitando o desenvolvimento de perfis de interesses para fins de apresentação de propagandas dirigidas. Com a eliminação da ferramenta, o objetivo da empresa é cumprir padrões de privacidade de dados, que vêm sendo reivindicados por diversos órgãos e ativistas.

Como substituto para o recurso, a companhia tem apostado nos FLoC (sigla em inglês para Federated Learning of Cohorts – Aprendizagem Federada de Coorte, em tradução livre). Segundo o Google, essa técnica “oculta” as pessoas “no meio de uma multidão com interesses comuns” e usa o processamento no dispositivo do usuário para manter seu histórico da web privado em seu navegador.

Desse modo, a empresa se compromete a não criar identificadores alternativos para mapear a navegação de cada pessoa. “Hoje, tornamos explícito que, uma vez que os cookies de terceiros sejam eliminados , não construiremos identificadores alternativos para rastrear indivíduos enquanto navegam na web, nem os usaremos em nossos produtos”, garante a empresa em comunicado oficial.

Fim da era cookies: Google anuncia uso de FLoC para direcionamento de publicidade, prometendo garantir privacidade dos usuários. Imagem: faithie – Shutterstock
Fim da era cookies: Google anuncia uso de FLoC para direcionamento de publicidade, prometendo garantir privacidade dos usuários. Imagem: faithie – Shutterstock

Leia mais:

FLoC x Cookies

Na prática, os FLoC têm o mesmo objetivo dos cookies: entender o comportamento dos internautas para oferecer produtos e serviços com base no seu gosto. Ou seja, é um tipo de rastreador, mas se diferencia por não identificar individualmente quem está navegando na web. Em vez disso, analisa o comportamento das pessoas na internet e as classifica anonimamente em grupos (coortes) compostos por outras de interesses parecidos. Resumindo: o recurso permitirá a publicidade baseada em interesses na web sem deixar que os anunciantes conheçam a identidade do usuário.

Por exemplo, os FLoC não identificarão Maria como uma mulher que ouve Beatles, faz aulas de dança contemporânea e que visitou sites de vendas de smartphones nas últimas 24 horas. O que acontecerá é que o sistema vai gerar um ID para o “coorte” com características semelhantes às dela, incluindo-a em um nicho de pessoas com interesses parecidos, categorizadas por gênero, faixa etária, escolaridade e perfil de navegação.

E essas informações do grupo, anonimizadas, serão usadas para fins publicitários na web. Os dados de Maria seguirão mantidos localmente no navegador que ela utilizar. O navegador só expõe o ID do nicho, que deverá ser formado por um número razoável de pessoas, para dificultar a identificação de um indivíduo em particular, mas também devem ser específicos o suficiente para permitir segmentação.

Fonte: Blog Google / The Verge