Mercado fechará em 5 h 52 min

Saiba como evitar que seu celular seja invadido por um cavalo de troia

A invasão de celulares tem se tornado cada vez mais comum e tem assustado bastante profissionais de segurança da informação. Para invadir smartphones, muitos criminosos usam um malware que é um velho conhecido, o cavalo de tróia, que, como na mitologia grega, se disfarça de um presente para entrar em um dispositivo.

Em um cenário em que os smartphones estão cada vez mais caros e mais potentes, uma prática que ficou comum na década de 2000 tem se tornado cada vez mais rara. Naquela época, era comum que as pessoas tivessem dois celulares, um para trabalho e um pessoal. Porém, hoje, quem usa dois números costuma ter um só aparelho, mas com dois chips.

Como um cavalo de troia chega ao dispositivo

Com isso, um mesmo dispositivo é usado para acesso a sites, jogos, e-mails, movimentações bancárias, entre outros. “Se o aparelho for invadido de alguma forma (ou extraviado, furtado ou roubado), todos os aplicativos financeiros estarão lá”, explica o coordenador do curso de Engenharia de Computação do Instituto Mauá de Tecnologia, Angelo Sebastião Zanini.

Segundo Zanini, o cavalo de tróia chega por e-mail ou por meio de um aplicativo de origem duvidosa, como um jogo obscuro, que foi instalado no aparelho. O malware pode monitorar todas as operações feitas no smartphone, independente da quantidade de linhas telefônicas disponíveis no dispositivo.

Como se manter protegido contra o cavalo de troia

Realização de backups periódicos podem aumentar a segurança dos smartphones contra o cavalo de troia e outros tipos de malware. (Imagem: Geralt/Pixabay)
Realização de backups periódicos podem aumentar a segurança dos smartphones contra o cavalo de troia e outros tipos de malware. (Imagem: Geralt/Pixabay)

Para se proteger do cavalo de troia de outros malwares que possam rastrear o dispositivo, é recomendado tomar algumas precauções. Sempre que disponível, acione a autenticação de dois fatores, principalmente em aplicativos de bancos. Ter mais de uma senha para acessar dados sensíveis aumenta substancialmente a segurança.

Outra dica de Zanini é desabilitar as notificações, já que receber links de redefinição de senha por e-mail ou SMS pode permitir que criminosos acessem essas credenciais para redefinir as palavras-passe de contas em redes sociais, por exemplo. Outro ponto importante é sempre programar backups nos aparelhos.

“Os backups ajudam a manter os dados na nuvem, evitam perda de memórias importantes e tornam o resgate das informações mais simplificado em caso de roubo”, explica o professor, “É importante analisar quantos dados você utiliza e manter uma rotina de backup periódicos em aplicativos como iCloud, Google Drive, Google Fotos e WhatsApp”, completa.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: