Mercado fechado
  • BOVESPA

    109.114,16
    -2.601,84 (-2,33%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.808,56
    -587,38 (-1,29%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,52
    -0,19 (-0,25%)
     
  • OURO

    1.631,30
    -2,10 (-0,13%)
     
  • BTC-USD

    19.114,62
    +317,58 (+1,69%)
     
  • CMC Crypto 200

    438,96
    +5,86 (+1,35%)
     
  • S&P500

    3.655,04
    -38,19 (-1,03%)
     
  • DOW JONES

    29.260,81
    -329,60 (-1,11%)
     
  • FTSE

    7.020,95
    +2,35 (+0,03%)
     
  • HANG SENG

    17.855,14
    -78,13 (-0,44%)
     
  • NIKKEI

    26.431,55
    -722,28 (-2,66%)
     
  • NASDAQ

    11.307,25
    -9,00 (-0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1741
    +0,0765 (+1,50%)
     

Saiba como ajudar a ciência a descobrir asteroides parecidos com cometas

No Sistema Solar, existem cometas e asteroides, com características bem distintas, fáceis de distinguir. Entretanto, também existem asteroides estranhos que se comportam como cometas. Esses objetos são bastante misteriosos e talvez carreguem algumas respostas importantes. Por isso, os cientistas pedem sua ajuda para encontrá-los.

Em 1950, os astrônomos encontraram pela primeira vez sinais de atividade em um asteroide. Embora tenha composição típica de um asteroide, o objeto (4015) Wilson-Harrington apresentava coma, a nuvem de poeira e gás que circunda o núcleo de um cometa.

O que são asteroides?

Asteroides são corpos celestes muito menores que um planeta, no máximo do tamanho de planetas anões. São rochosos, ricos em carbono e ferro, muitos deles considerados restos de protoplanetas que não evoluíram. Já os cometas, são uma mistura de gelo e materiais leves que sublimam ao se aproximar do Sol.

Com a sublimação (mudança do estado sólido para o estado gasoso, sem passar pelo estado líquido), os cometas ganham a coma e, às vezes, uma cauda gigantesca. Enquanto asteroides estão principalmente no Cinturão Principal, entre as órbitas de Júpiter e Marte, os cometas vêm dos confins gelados do Sistema Solar.

O asteroide (4015) Wilson-Harrington no centro da imagen, apresentando uma cauda (Imagem: Reprodução/ESO and Palomar Observatory)
O asteroide (4015) Wilson-Harrington no centro da imagen, apresentando uma cauda (Imagem: Reprodução/ESO and Palomar Observatory)

E os asteroides ativos?

Já os asteroides ativos são difíceis de compreender, principalmente por haver tão poucos encontrados — menos de 30 até agora. Como eles conseguiram elementos leves o suficiente para formar um coma ou uma cauda? E qual o papel deles na evolução do Sistema Solar?

Para responder essas perguntas, os cientistas precisam de mais amostras, e é aí que você entra exercendo o papel de cientista cidadão. Não é preciso nenhum conhecimento científico, basta seguir o passo a passo do tutorial e você ajudará a distinguir possíveis candidatos a asteroides ativos.

Como encontrar asteroides ativos

A quantidade de imagens de asteroides é o suficiente para tornar a análise impossível para os astrônomos. Além disso, as características que eles procuram — cauda e coma — são muito fracas para serem detectadas por algorítimos.

Por isso, os cientistas criam programas de voluntariado para cientistas cidadão. O Active Asteroids é especialmente projetado para a detecção de asteroides ativos (como o próprio nome sugere) e você pode participar seguindo as instruções:

1) Acesse o Citizen Science Active Asteroids e clique em "get started"

2) Observe a imagem do asteroide (6478) Gault abaixo. As setas brancas indicam a cauda (ou seja, é um asteroide ativo). A vermelha aponta para a direção oposta ao movimento do asteroide e a amarela indica a distância do Sol.

O traçado pontilhado verde indica o asteroide em si e o risco preto é apenas um raio cósmico (Imagem: Reprodução/NASA/Citizen Science Active Asteroids)
O traçado pontilhado verde indica o asteroide em si e o risco preto é apenas um raio cósmico (Imagem: Reprodução/NASA/Citizen Science Active Asteroids)

3) Cada imagem que você analisará mostra um objeto suspeito bem no centro do quadro. A primeira tarefa é procurar pelo objeto exatamente no centro; se não existir nenhum, deve ser classificado como não ativo.

À esquerda, o objeto tem uma cauda apontando para as 7 horas, então ele deve ser marcado como "hot" (Imagem: Reprodução/NASA/Citizen Science Active Asteroids)
À esquerda, o objeto tem uma cauda apontando para as 7 horas, então ele deve ser marcado como "hot" (Imagem: Reprodução/NASA/Citizen Science Active Asteroids)

4) Abaixo, a animação mostra uma cauda de cometa clássica, bem nítida. Mas lembre-se que elas podem variar em forma, comprimento e intensidade. Aliás, os asteroides podem até apresentar várias caudas que se estendem em direções diferentes.

Este asteroide tem uma cauda bem nítida (Imagem: Reprodução/NASA/Citizen Science Active Asteroids)
Este asteroide tem uma cauda bem nítida (Imagem: Reprodução/NASA/Citizen Science Active Asteroids)

5) Você também deve procurar um coma, a nuvem de poeira e gás típica dos cometas. Elas são como conchas difusas e são mais visíveis na direção da órbita do asteroide.

O coma é mais destacado na área de choque, ou seja, à frente do asteroide, onde os raios solares incidem (Imagem: Reprodução/NASA/Citizen Science Active Asteroids)
O coma é mais destacado na área de choque, ou seja, à frente do asteroide, onde os raios solares incidem (Imagem: Reprodução/NASA/Citizen Science Active Asteroids)

6) Você também deverá descartar imagens que podem ser falsos positivos e classificá-las como não ativos. Em todos os exemplos abaixo, as "caudas" são na verdade resultado de outros fenômenos. Na primeira delas, todos os objetos parecem ter uma cauda, mas isso não é possível ocorrer, então significa que o telescópio se moveu enquanto capturava a imagem.

No segundo exemplo, a imagem está difusa, o que é uma condição de observação ruim. Em seguida, está uma foto com luz dispersa, com pontas semelhantes àquelas que vemos nas fotos contra a luz do Sol. A próxima mostra objetos sobrepostos (uma galáxia, uma estrela e um asteroide).

Por fim, as últimas imagens mostram raios cósmicos e um objeto tão brilhante que aparece como um halo circular no espelho do telescópio. Esses exemplos devem guiá-lo na escolha das imagens que serão descartadas.

Seis exemplos de falsos positivos que devem ser descartados (Imagem: Reprodução/NASA/Citizen Science Active Asteroids)
Seis exemplos de falsos positivos que devem ser descartados (Imagem: Reprodução/NASA/Citizen Science Active Asteroids)

7) Em caso de dúvida com uma imagem que parece difícil de identificar, você pode tentar o seguinte:

  • Ver a imagem em um esquema de cores invertido, clicando no símbolo de meia-lua próximo ao canto inferior direito da imagem.

  • Acessar o Field Guide e conferir as descrições de muitos tipos de fenômenos, clicando no botão à direita da tela.

  • Para mais exemplos de asteroides com cauda e o que se deve que ignorar, clique em "Precisa de ajuda com esta tarefa?"

8) Por fim, após compreender essas instruções, basta observar as imagens que aparecerão na tela e responder às perguntas. Se necessário, utilize o tradutor incorporado ao navegador.

Praticar ciência cidadã é uma ótima oportunidade de ajudar a comunidade científica a avançar nos estudos, se sentir parte de uma comunidade que se importa com a ciência e, não menos importante, se divertir com astronomia. Com programas desse tipo, crianças e jovens já ajudaram a descobrir asteroides, estrelas e até mesmo planetas.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: