Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.933,78
    -180,15 (-0,15%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.072,62
    -654,36 (-1,34%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,43
    +0,30 (+0,48%)
     
  • OURO

    1.770,90
    -9,30 (-0,52%)
     
  • BTC-USD

    56.207,53
    +347,67 (+0,62%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.273,78
    -25,17 (-1,94%)
     
  • S&P500

    4.163,26
    -22,21 (-0,53%)
     
  • DOW JONES

    34.077,63
    -123,04 (-0,36%)
     
  • FTSE

    7.000,08
    -19,45 (-0,28%)
     
  • HANG SENG

    29.106,15
    +136,44 (+0,47%)
     
  • NIKKEI

    29.685,37
    +2,00 (+0,01%)
     
  • NASDAQ

    13.891,75
    -137,75 (-0,98%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6755
    -0,0106 (-0,16%)
     

Safras reduz projeção para milho 20/21 no Brasil com ajuste na "safrinha"; ainda vê recorde

·2 minuto de leitura
Caminhão com milho perto de Sorriso, em Mato Grosso

SÃO PAULO (Reuters) - A produção nacional de milho deve alcançar o recorde de 112,8 milhões de toneladas na temporada 2020/21, estimou a consultoria Safras & Mercado nesta sexta-feira, embora reduzindo a projeção ante o levantamento anterior, com revisão para a "safrinha".

Em janeiro, a consultoria estimava produção total de 113,5 milhões de toneladas para o cereal. Apesar do ajuste, a nova perspectiva ainda supera com folga os 106,8 milhões registrados na temporada anterior.

"A produtividade média da safra brasileira 2020/21 deve ficar em 5.436 quilos por hectare de milho, inferior aos 5,617 quilos por hectare projetados em janeiro e aos 5.468 quilos por hectare obtidos na temporada 2019/20", ressaltou a consultoria em nota.

No ciclo atual, produtores tiveram que lidar com atraso no plantio de verão em função de uma seca e, posteriormente, com chuvas excessivas que afetaram a colheita da soja e postergaram o plantio de milho segunda safra, jogando parte da semeadura para fora da janela ideal.

Em contrapartida, a consultoria vê elevação na área plantada no país, segundo maior exportador global do cereal, enquanto o mercado experimenta altos patamares de preços.

"Safras estima que a área total cultivada no Brasil deve crescer 6,2% frente à temporada 2019/20, de 19,537 milhões de hectares, ocupando 20,752 milhões de hectares. Na estimativa anterior, a área havia sido indicada em 20,199 milhões de hectares", afirmou.

VERÃO VS SAFRINHA

Para a segunda safra, a perspectiva caiu para 80,685 milhões de toneladas, ante 84,027 milhões vistas na projeção anterior. Apesar da baixa, os números são superiores aos da temporada passada, quando a produção foi de 73,478 milhões de toneladas.

A consultoria vê a área cultivada na safrinha em 14,211 milhões de hectares, 7,1% acima do ciclo anterior. A área também é maior frente aos 14,124 milhões de hectares de milho projetados em janeiro.

Desta forma, a redução na produção prevista se deu em função de uma queda na perspectiva para a produtividade, que passou que 5.949 quilos por hectare no levantamento de janeiro para 5.677 quilos por hectare.

A nova estimativa também indicou produção de 21,645 milhões de toneladas de milho para a safra de verão, contra os 23,161 milhões de toneladas do ano anterior. Em janeiro, a previsão da consultoria era de uma primeira safra de 19,399 milhões de toneladas.

A área cultivada na safra de verão 2020/21 foi estimada em 4,353 milhões de hectares, subindo 5,7% frente ao ciclo anterior. Na última projeção, a área havia sido apontada em 3,953 milhões de hectares.

(Por Nayara Figueiredo; Edição de Luciano Costa)