Mercado fechará em 1 h 26 min
  • BOVESPA

    112.354,45
    +464,57 (+0,42%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.291,07
    +148,07 (+0,28%)
     
  • PETROLEO CRU

    115,12
    +1,03 (+0,90%)
     
  • OURO

    1.857,00
    +3,10 (+0,17%)
     
  • BTC-USD

    28.360,52
    -1.158,63 (-3,93%)
     
  • CMC Crypto 200

    615,51
    -13,99 (-2,22%)
     
  • S&P500

    4.131,02
    +73,18 (+1,80%)
     
  • DOW JONES

    32.992,63
    +355,44 (+1,09%)
     
  • FTSE

    7.585,46
    +20,54 (+0,27%)
     
  • HANG SENG

    20.697,36
    +581,16 (+2,89%)
     
  • NIKKEI

    26.781,68
    +176,84 (+0,66%)
     
  • NASDAQ

    12.603,00
    +323,75 (+2,64%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,0853
    -0,0327 (-0,64%)
     

Safra de milho sofre risco de perdas com seca no Centro-Oeste

·2 min de leitura

(Bloomberg) -- O tempo seco ameaça reduzir a safra brasileira de milho a apenas um mês da colheita, o que exacerba as preocupações com a oferta quando o mundo enfrenta uma disparada na inflação de alimentos.

Na região Centro-Oeste, que abriga a safrinha colhida durante os meses de inverno, abril foi mais seco do que o esperado e algumas áreas ficaram sem quantidades significativas de chuva por um mês. Essas condições dificultam a maturação do grão.

“Vemos estimativas de safra recorde, mas na realidade sabemos que já há um grande prejuízo, mesmo que as chuvas se concretizem”, disse Lucas Costa Beber, vice-presidente da Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja).

Como segundo maior exportador de milho, atrás apenas dos EUA, a importância do Brasil para o abastecimento mundial de alimentos aumentou à medida que os ataques russos forçam agricultores ucranianos a abandonar o plantio e pegar em armas, e as rotas marítimas de exportação para um dos principais celeiros do mundo foram fechadas pela frota naval de Vladimir Putin.

Os preços do milho subiram 35% este ano em meio a uma confluência de ameaças de oferta, com a demanda pós-pandemia em expansão. Os agricultores dos EUA estão em uma posição fraca para preencher e os déficits brasileiros, pois semeiam menos milho por causa dos altos custos de fertilizantes.

A área seca – que compreende partes dos estados de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás e Minas Gerais – responde por mais de 72% da safrinha, que é destinada principalmente a exportação. Em Mato Grosso, por exemplo, a safrinha não alcançara às estimativas anteriores de 40 a 41 milhões de toneladas, segundo Beber.

Pouca chuva

Mais chuva nas próximas semanas pode ajudar, mas as previsões meteorológicas não são promissoras. O clima quente e seco persistirá até esta semana, esgotando ainda mais a umidade do solo, de acordo com Celso Oliveira, meteorologista da Climatempo.

Há previsão de chuva na próxima semana, mas a precipitação até 7 de maio não deve ser suficiente para desfazer os danos, disse Oliveira.

Pesquisadores de safras estão nos campos para atualizar suas estimativas, inclusive os técnicos da Conab. A AgRural, que projetava uma safra de 91,3 milhões de toneladas nas últimas semanas, provavelmente cortará esse número por conta do clima, segundo a analista Daniele Siqueira.

“Em Mato Grosso, acabou a fase mais suscetível da safra, mas precisamos de chuvas”, disse ela em entrevista.

Mesmo assim, é muito provável que a colheita do país supere o recorde anterior de 75 milhões de toneladas durante a safra 2019-20, principalmente devido a uma área de plantio mais expansiva, disse ela.

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos