Mercado fechado
  • BOVESPA

    125.052,78
    -1.094,22 (-0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.268,45
    +27,95 (+0,06%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,27
    +0,20 (+0,28%)
     
  • OURO

    1.802,30
    +0,50 (+0,03%)
     
  • BTC-USD

    34.499,63
    +526,58 (+1,55%)
     
  • CMC Crypto 200

    786,33
    -7,40 (-0,93%)
     
  • S&P500

    4.411,79
    +44,31 (+1,01%)
     
  • DOW JONES

    35.061,55
    +238,15 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.027,58
    +59,28 (+0,85%)
     
  • HANG SENG

    27.321,98
    -401,82 (-1,45%)
     
  • NIKKEI

    27.548,00
    +159,80 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.094,25
    -3,75 (-0,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1219
    +0,0017 (+0,03%)
     

Safra de cana no Brasil pode ser menor que esperada, diz Wilmar

·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- A crise hídrica piora as perspectivas para a safra de cana-de-açúcar no Brasil, de acordo com a trading Wilmar International.

Sob o impacto da seca, a produção de cana na região Centro-Sul deve cair quase 100 milhões de toneladas em relação ao ano anterior, para 510 milhões de toneladas na temporada 2021-22, estima a Wilmar, com sede em Singapura. Em abril, a previsão era de 530 milhões de toneladas. O novo volume seria o menor em uma década, e há chance de que a produção possa cair ainda mais.

“Nunca vimos tais condições de safra, com um déficit recorde de chuvas mês após mês”, disse por e-mail Karim Salamon, chefe de análise de mercado de açúcar da Wilmar. “Não há referência de tal estiagem no Centro-Sul do Brasil em um período tão longo. Isso nunca aconteceu.”

Secas a geadas no maior exportador de açúcar do mundo contribuíram para um déficit global da commodity, ajudando a impulsionar os contratos futuros do açúcar bruto para o maior nível em quatro anos no início deste mês. O fortalecimento do mercado de etanol também levou algumas usinas no Brasil a desviarem mais cana para produzir o biocombustível em vez de açúcar.

O açúcar bruto acumula ganho de cerca de 12% este ano, sendo cotado a 17,39 centavos de dólar por libra-peso em Nova York. Os preços desaceleraram na segunda-feira em meio aos sinais de que as principais regiões produtoras do Brasil conseguiram escapar de grandes danos causados pelas baixas temperaturas.

A forte queda da produção do Brasil deve levar algumas usinas a fechar já em outubro, disse Salamon. A produção de açúcar pode somar 31 milhões de toneladas, queda de 7,5 milhões de toneladas em relação à safra anterior. Em abril, a Wilmar previa produção entre 31 milhões de toneladas e 33 milhões de toneladas.

“A situação deve piorar daqui para frente, e a produtividade no Centro-Sul do Brasil devem cair ainda mais”, disse Salamon, citando os modelos da empresa.

Em junho, a produtividade média no Brasil já era 12% menor do que no ano passado. A safra de cana pode não se recuperar na temporada 2022-23, já que a estiagem deste ano e as geadas do início de julho dificultaram o replantio, explicou Salamon.

More stories like this are available on bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos