Mercado fechará em 1 h 11 min
  • BOVESPA

    129.906,17
    +465,14 (+0,36%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.188,38
    -98,08 (-0,19%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,96
    +0,05 (+0,07%)
     
  • OURO

    1.866,50
    -13,10 (-0,70%)
     
  • BTC-USD

    39.915,60
    +2.518,23 (+6,73%)
     
  • CMC Crypto 200

    996,08
    +27,24 (+2,81%)
     
  • S&P500

    4.238,48
    -8,96 (-0,21%)
     
  • DOW JONES

    34.260,53
    -219,07 (-0,64%)
     
  • FTSE

    7.146,68
    +12,62 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,23 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    29.161,80
    +213,07 (+0,74%)
     
  • NASDAQ

    14.063,25
    +69,00 (+0,49%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1439
    -0,0487 (-0,79%)
     

Sachsida cita riscos hidrológicos, pandêmicos e fiscais como desafios de curto prazo

·1 minuto de leitura

BRASÍLIA (Reuters) - O secretário de Política Econômica, Adolfo Sachsida, destacou nesta terça-feira como desafios de curto prazo para a economia brasileira os riscos relacionados à pandemia, à questão hidrológica e ao cenário fiscal.

No longo prazo, a preocupação maior, disse Sachsida, é que os choques transitórios gerados pela pandemia da Covid-19 não tenham efeitos permanentes na economia. Nesse sentido, ele defendeu que o caminho mais acertado é insistir na agenda de consolidação fiscal e de reformas pró-mercado.

"É graças à consolidação fiscal que você ancora expectativas, ancorando expectativas você mantém a trajetória de inflação sobre controle", disse Sachsida, acrescentando que isso contém o risco país, com impacto positivo sobre o investimento e o emprego.

Em apresentação para comentar as novas projeções da Secretaria de Política Econômica, Sachsida disse que a estimativa de crescimento de 3,50% do PIB este ano é "conservadora". Ele rechaçou avaliações de que o país poderia estar vivendo um cenário de estagflação --estagnação econômica e inflação elevada--, ressaltando que não é possível falar em estagnação com uma economia crescendo a taxas de 3% em termos anuais.

(Por Isabel Versiani)