Mercado fechado

Sabesp opera em alta no Ibovespa após interesse de chineses em parte da empresa

Juliano Passaro
Sabesp opera em alta no Ibovespa após interesse de chineses em parte da empresa

A Sabesp (SBSP3) opera em alta na B3 nesta segunda-feira (13). Os papéis da empresa de saneamento básico apresentam forte valorização. As ações ordinárias registravam uma alta de 4,01%, cotadas a R$ 59,71, na Bolsa de Valores de São Paulo, por volta das 11h20.

O avanço nos papéis aconteceu após uma notícia sobre um possível interesse da empresa 'China Railway Construction Corporation' ser veiculada no último final de semana. A Sabesp chegou a atingir uma alta de 4,32%, por volta das 11h18 desta segunda, sendo negociada a R$ 59,89.

De acordo com a publicação do jornal "O Estado de S. Paulo", a empresa chinesa teria interesse em adquirir parte da estatal brasileira. Vale destacar que o governo de São Paulo possui 50,3% da Sabesp, que é avaliada em R$ 40 bilhões.

Veja também: Vendas da Ford na China caem pelo terceiro ano consecutivo

Em 2017, os chineses investiram aproximadamente US$ 9 bilhões em companhias brasileiras, e quase toda parte desse montante foi em ativos de energia. Desta vez, porém, segundo a reportagem, o setor de tratamento de água e esgoto, além da área de construção, deve ser a grande investida dos chineses.

"A China está disposta a investir fortemente no Brasil e na América do Sul", afirmou o presidente da Câmara de Comércio e Indústria Brasil China (CCIBC), Charles Tang.

A Sabesp fatura cerca de R$ 16 bilhões anualmente e conta com aproximadamente 28 milhões de clientes.

Apostas dos chineses em outros setores

Os chineses também buscam investimentos em transporte de cargas por ferrovias e em empresa de construção pesada. Ou seja, o país asiático vê no Brasil uma chance para conseguir investir em um projeto de infraestrutura completo.

Além da Sabesp e de outras empresas de ramos ligados a infraestrutura, vale ressaltar que, no ano passado, o setor de petróleo e gás também foi visado pelos chineses, que chegaram a participar de um consórcio com a Petrobras no leilão do pré-sal.